Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

umacartaforadobaralho

"o segredo é teres sempre uma carta na manga"

Sobre sentir falta do contacto humano

(até para uma introvertida, como eu!)

(Imagem divulgada no The New York Times no artigo "How to Hug during a Pandemic")

 

    Eu compreendo as pessoas que querem fazer jantaradas com amigos, ir à praia (mesmo correndo o risco dela estar lotada) e fazer outra qualquer atividade que implique estar fora de casa. Eu juro que compreendo. E compreendo porque sinto exactamente o mesmo.

    Sinto que, dia-a-dia, somos sistematicamente confrontados com a eterna questão: "Como é que eu posso fazer aquilo que eu quero fazer e continuar protegido/a da Covid-19?"  E a resposta mais rápida é lógica é: ficando em casa, e saindo/ convivendo o mínimo possível com outras pessoas. Mas, caramba, estamos a fazer isso há 5 meses!
    São 5 meses passados maioritariamente em casa, a trabalhar, a conviver com as mesmas pessoas (ou para aqueles que estão sozinhos, a conviver apenas consigo próprio) e raramente vendo a luz do dia. Isto não é fácil!
    O ser humano não foi feito para isto. Nem mesmo eu, que sempre me considerei uma introvertida assumida, que prefere muitas vezes passar o seu tempo sozinha. Sinto falta do contacto humano! Do toque, dos beijos, dos abraços...
Estamos, sem nos aperceber, a desenvolver personalidades cada vez mais frias, onde o contacto social é desvalorizado, e onde a solidão ganha espaço para surgirem outros problemas do foro mental como a depressão, a perturbação de pânico, a fobia social...
    E acho que muito pouco se fala disto, ainda, infelizmente. É o jogo do ignorar o obvio: sabemos que a pandemia ainda está bem presente, que nos afeta a nível pessoal e emocional, mas ainda assim escolhemos ignorar aquilo que estamos a sentir (para "debaixo do tapete", como se costuma dizer) na esperança (?) que aquilo que estamos a sentir desapareça.

    O que eu quero dizer com isto é que é perfeitamente normal estarmos mais ansiosos, stressados, preocupados, e instáveis numa altura como esta. A pandemia ainda cá está, continua a ter um grande impacto nas nossas vidas (a acrescer a todos os problemas que surgem no nosso dia-a-dia, a par da Covid-19), e mais vale termos a noção de que isto nos está a afectar do que fingir que nada está a acontecer, e que tudo já está como era dantes (porque está longe de estar).

    Por isso, pessoal que está a ler este post: Tomem bem conta da vossa saúde física, mas não descuidem do vosso bem-estar emocional. Se sentem que todos estes desafios estão a ser demasiado complicados de lidar, e que isso pode estar a reflectir-se na vossa vida diária (como dificuldade a adormecer, problemas nos relacionamentos, binge eating, etc.), ponderem usufruir de um acompanhamento psicológico. É benéfico para toda a gente, e é um investimento acima de tudo para a vossa saúde!

    Se precisarem de algum conselho ou dica sobre psicólogos de referência, podem-me enviar um e-mail que eu vou-vos tentar aconselhar dentro das vossas necessidades. Tenham uma boa noite 

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

Como manter uma uma relação à distância, em tempos de pandemia?

No mundo em que vivemos atualmente, é comum vermos casais separados pelo isolamento, preocupados com as consequências que esta distância terá, a longo prazo, na sua relação.

É o meu caso e do gajinho. Não estando ainda a morar juntos, temos estado desde Março a viver esta relação à distância, com ocasionais saídas a 2m de distância em espaços abertos. Como podem imaginar, um verdadeiro paraíso não é?... 

E como é que se aguenta tanto tempo longe do vosso mais-que-tudo, perguntam-me vocês? Com muito amor, alguns desentendimentos e uma pitada de choro à mistura!

 

Seguem abaixo algumas dicas de como tornar esta fase um bocadinho (ligeiramente) mais suportável...

  1. Combinem horários para falarem (por chamada, ou vídeo), e cumpram. Apontem nas vossas agendas se for preciso! É importante que definam um horário, diário, para fazerem uma chamada e se porem a par das novidades.
  2. Falem MUITO! Não só é importante que comuniquem todos os dias, mas que tenham conversas de qualidade: esclareçam sempre mal-entendidos que tenham o mais rapidamente possível para o problema não se alastrar; aproveitem para se conhecer melhor; façam perguntas curiosas à vossa cara metade (aqui está um óptimo exemplo); combinem dates futuros; relembrem as vossas melhores memórias; façam chamada à noite e adormeçam ao telemóvel com o vosso/a namorado/a, etc.
  3. Divirtam-se juntos! Apostem sempre que possível nas videochamadas, façam partidas de jogos online (hoje em dia têm tantooo por onde escolher desde o Jogo do stop até ao Gartic - jogo do desenho), maratonas de séries/filmes na Netflix (o Netflix Party também vos pode ser muito útil porque permite-vos ver programas em simultâneo)...
  4. Inovem. Vou-vos dar o meu exemplo. No meu caso, eu comecei a escrever inicialmente um diário sobre o meu dia, que depois entregaria ao gajinho quando a pandemia acabasse, mas depois optei por fazer "vlogs" do meu dia. Assim, de vez em quando, principalmente quando tenho um dia mais interessante (que é muito raramente ), filmo o meu dia e no final envio-lhe o link. É como aquelas youtubers famosas fazem, a única diferença é que ele é o meu único subscritor... e não tenho aqueles comentários de haters, o que é uma enorme vantagem 
  5. Combinem dates... sempre com precaução. Quando já bate aquela saudade apertada, combinem encontros presenciais, sempre com o devido distanciamento e segurança. Aproveitem para fazer uma caminhada, praticar exercício físico juntos, passear num jardim ao ar livre... Apesar das opções serem mais limitadas do que o habitual, isso não faz com que não tirem um bom partido do vosso encontro, e dando largas à imaginação podem ir variando  e diversificando os vossos dates.

 

Claro que isto não significa que está tudo bem, e que devemos aceitar todas estas mudanças na nossa vida com naturalidade, porque não é isso que nos é pedido. O mundo como o conhecemos já não existe, e é normal que demoremos tempo a adaptarmo-nos a estas alterações. Contudo, o que vos posso dizer neste momento é para aproveitarem cada momento da vossa vida, não tomarem nada como garantido e dar o vosso melhor para serem pessoas melhores, e mais felizes. Tudo isto é temporário.

Espero vos ter ajudado de alguma maneira hoje. Estamos nisto juntos, e por isso era tão bom que nos uníssemos num momento tão difícil como este para nos ajudarmos uns aos outros, em vez de nos dificultarmos a vida. Já é complicado por si só termos de lidar com o que está a acontecer no mundo, por isso bora lá unirmo-nos e ajudar o próximo 

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

Manter a forma durante a quarentena!

Porque nem só de saúde mental vive este blog (para choque de muitos vós...), hoje venho-vos falar do meu vício pela actividade física nos últimos tempos - que, atenção, é também muito importante para a nossa sanidade mental, e bem-estar!

Foi ainda durante o período do confinamento, onde só era permitido sairmos de casa para fazer exercício (tão bem que nós estávamos assim...), que eu, fartinha de estar em casa, arranjei a desculpa perfeita: sair dia sim dia não, de manhãzinha, para fazer uma corrida no jardim aqui ao pé da minha casa.

Verdade seja dita, nos primeiros dias foi mais uma caminhada do que propriamente uma corrida (quem me acompanha no blog há algum tempo sabe que nunca fui fã de exercício físico, e que Educação Física sempre foi a minha pior disciplina... ).

No entanto, com o passar do tempo fui melhorando, e diversificando também a minha actividade física. Atualmente faço mais exercício em casa, com vídeos do youtube ou através da app Adidas Training, que tem vários circuitos de treino com vários níveis de dificuldade (não é publicidade não se preocupem, que ninguém me está a pagar... ).

O vídeo que partilho hoje com vocês (acima) é de uma youtuber que tenho ficado viciada ultimamente, porque ela faz vídeos com treino de atividade física enquanto dança! Ora eu, que adoro dançar (principalmente músicas do Tik tok ), tenho ficado rendida a este tipo de vídeos.

Quem ficou com curiosidade, dê uma espreitadela! São vídeos muito catchy, mas puchadotes (no final do vídeo prometo-vos que vão ficar a arfar...), e que fazem um treino completo ao nosso corpo. Numa altura em que muitos de nós estamos a viver um estilo de vida mais sedentário, juntam-se a mim para tentarmos inverter este ciclo e melhorarmos a nossa saude física, e psicológica? 

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

Não vamos falar disto?!

 

Em primeiro lugar, eu sei que vos tinha dito que estava de volta ao blog, mas com o regresso da minha ansiedade generalizada (e revolta com o corona em particular... ), não consegui de todo, e por isso peço-vos desculpa.

Hoje trago-vos um assunto que me deixa muito triste, pois adoraria não o ter de abordar desta forma.

Para quem não sabe, a revista Vogue Portugal lançou, numa das suas capas para a edição "Madness" deste mês, o tema da saúde mental. Esta seria uma óptima iniciativa não tivessem eles utilizado o termo "loucura" (=madness)  - expressão tão ultrapassada nos dias de hoje... -, para falarem de um assunto tão relevante como é a saúde mental.

Para piorar as coisas, tiveram uma capa para representar este tema no mínimo... infeliz. Uma das imagens escolhidas para a capa da revista (que se pode ver na imagem acima), mostra um cenário de hospital, onde uma rapariga se encontra dentro de uma banheira, com duas enfermeiras à sua volta que lhe dão banho.

Esta representação das doenças mentais não só está mais do que desatualizada, porque remete aos tempos antigos, onde haviam hospitais psiquiátricos que torturavam os doentes mentais pois eram vistos como 'estranhos', 'possuídos', 'obra do demónio' ou 'bruxaria'; como demonstra insensibilidade e preconceito em relação a este tema.

Este tipo de fotos não só é ofensivo para todas aquelas pessoas que sofrem de algum tipo de perturbação psicológica, como dá uma ideia totalmente errada daquilo que é uma doença mental, das pessoas que sofrem dessas doenças e de como é feito o seu tratamento.

Não somos 'malucos' por vivermos com uma doença mental. Nem 'fracos'. Não somos definidos pela nossa doença. Somos pessoas, como todas as outras, e calhamos a ter uma doença mental. 

E há muito mais pessoas portadoras de distúrbios mentais do que aquilo que se julga. Ainda para mais, estima-se que a pandemia veio agravar os quadros clínicos pré-existentes, e criar novos sintomas para indivíduos até então saudáveis. Veio também aumentar os casos de suicídio!

Por isso este é um assunto de extrema importância!! A saúde mental não é uma brincadeira, não deve ser um assunto para ser tratado levianamente, não deve ser romantizado. O tratamento destes pessoas é feito à base de psicoterapia/intervenção psicológica, e/ou psiquiatria (onde é feita a adesão medicamentosa).

Caso queiram saber mais acerca da intervenção psicológica, podem divertir-se a explorar a minha tag de #DomingodeConsultório, onde respondo a várias questões sobre várias problemáticas relacionadas com a saúde mental, e para conhecerem algumas das abordagens dos psicólogos durante as suas consultas cliquem aqui.

Acima de tudo informem-se muito bem acerca da saúde mental e da sua importância, e ajudem a desmistificar este estigma. Bora lá salvar vidas 

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

Sobre(Viver) em tempos de crise

Nos últimos meses temos passado por situações e desafios que nunca imaginámos enfrentar na nossa vida, e isso tem-nos trazido consequências a nível físico, e psicológico.

A pandemia obrigou-nos, de um momento para o outro, a proceder a mudanças drásticas no nosso dia-a-dia, e a adaptarmo-nos a novas realidades num curtíssimo espaço de tempo: a vivência da doença, o luto, o teletrabalho, o afastamento físico dos nossos entes queridos, o confinamento obrigatório (e, agora, o gradual desconfinamento)... 

E tal como muitos de nós, eu própria sinto-me (ainda) muito afetada com todas as consequências do confinamento obrigatório, originado pelo covid-19: a minha ansiedade disparou em flecha, os meus ataques de pânico aumentaram, as minhas crises de choro também, vieram as insónias, a desmotivação, a apatia, a ingestão exagerada de doces, o isolamento de tudo e de todos, enfim...

Por essa razão tem-me sido tão difícil manter o blog atualizado. Sinto que deixei tudo em pausa (o trabalho presencial, os encontros com amigos, as saídas, etc), e por isso o blog foi apenas mais um.

Sabem aquela sensação de estarmos debaixo de água, quando mergulhamos, e temos o nariz tapado, os olhos tapados... e só estamos desejosos de voltar ao de cima? Eu sinto-me exatamente assim. Estou debaixo de água, - com toda a minha vida suspensa, - e só vou conseguir respirar quando tudo isto estiver passado. Para mim, isto não é viver, mas antes sobreviver.

Isto não significa, obviamente, que não me sinte grata por ter a minha família comigo, por estarmos todos bem de saúde, e por termos a sorte de conseguir trabalhar a partir de casa. Mas também sei que é muito importante não descurarmos da nossa saúde mental que, em muitos casos, se tem vindo a deteriorar nos últimos dias.

Mas para não acabar em mau tom, vou-vos deixar aqui 5 estratégias que tenho aplicado nos últimos dias que me têm ajudado a manter a mente ligeiramente mais sã:

  1. Fazer meditação antes de me deitar. Todas as noites, antes de ir dormir, meto a tocar um áudio do Palouse Mindfulness (que acho sempre super relaxantes), e tem-me ajudado imenso a adormecer mais rápido, e a acordar menos vezes durante a noite.
  2. Praticar exercício físico. Esta foi uma novidade para mim (pessoa extremamente sedentária ). Dia sim, dia não, visto o meu fato de treino de manhã e faço alongamentos, ou vou dar uma caminhada num parque da minha zona. Começou por ser uma desculpa para sair de casa e manter-me saudável, até que ao fim de um tempo se tornou mesmo um hábito.
  3. Valorizar as nossas conquistas, ainda que pequenas. Desde o pequeno-almoço saudável, até à atividade física, hábitos de sono saudáveis...Tudo é motivo para festejar, e valorizar as nossas pequenas vitórias. Tendemos a ter um discurso muito autodepreciativo, o que não nos traz nenhum benefício, por isso é bom que tentemos alterar um pouco esse paradigma.
  4. Manter um diário. Manter um diário é extremamente saudável, e tem múltiplos benefícios. O meu diário serve para apontar: o nome dos workshops online a que tenho assistido, as novas receitas que tenho experimentado, as compras que tenho feito online, aquilo que tenho sentido ultimamente, etc.
  5. Manter rotinas, e horários. O ideal é tentar mantermo-nos o mais próximo possível das nossas rotinas habituais: acordarmos e deitarmo-nos à mesma hora, vestirmo-nos (mesmo que não vamos sair de casa) e mantermo-nos ativos (assistir a séries, criar novas receitas, apostar no artesanato, organizar/decorar o nosso espaço, etc.).

E por esse lado, como têm passado estes dias? 

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

Descoberta do mês: Harlan Coben

PicsArt_03-27-07.17.32.jpg

(foto da minha autoria)

 

Boas noites! Como têm passado por esses lados? Está tudo bom e saudável? 

Já esgotaram os livros que tinham em casa por ler, e as séries que tinham por ver? 

Hoje venho-vos falar da minha mais recente descoberta: O escritor Harlan Coben. Descobri-o por acaso, enquanto estava a navegar pelas séries da Netflix e encontrei a série The Stranger.

A série é baseada num dos seus livros, e é fantástica! O género das obras do escritor é sempre o mesmo: mistério, suspense e thriller (se me conhecem minimamente, por esta altura não estão muito admirados... )

Não vos vou revelar muito sobre esta série - até porque se o fizer, estraga a piada. Vou-vos apenas dizer que a história é sobre um senhor, Adam Price, que tem um casamento feliz com a sua mulher Corrine e os seus dois filhos, até que um dia uma estranha vai ao seu encontro e faz uma revelação chocante acerca de Corrine (a sua mulher). A partir daí, vai-se originando uma série de acontecimentos que vão revelando cada vez mais mistérios. E mais não digo...

Se acharam a sinopse interessante, vou-vos deixar aqui algumas recomendações de séries, inspiradas em livros do autor, igualmente boas!

  • "Safe" (disponível na Netflix);
  • "The Five" (só encontram em sites pirata);
  • "Une chance de trop" (encontram em sites pirata);
  • "Juste un regard" (encontram em sites pirata; inspirado no livro que estou a ler: Apenas um olhar).

 

E vocês, o que têm feito esta quarentena? Também têm feito muitas maratonas de séries e filmes ultimamente? 

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

Como lidar com as emoções negativas durante um período de isolamento?

IMG_20200318_174805_692.jpg

(foto da minha autoria)

 

Olá a todos! Espero-vos bem, em casa e de boa saúde 

Como devem imaginar, nos tempos que correm é difícil falarmos de outra coisa senão da pandemia do Covid-19, e de como esta tem impactado a nossa vida. As pessoas são aconselhadas a ficar em casa, sair à rua apenas em casos de extrema necessidade, cada vez mais empregos têm aderido ao regime teletrabalho, sendo que inclusivamente hoje foi decretado estado de emergência.

Todas estas mudanças num intervalo de tempo tão curto trazem, sem dúvida, muitas consequências, nomeadamente a nível psicológico. O ser humano é naturalmente um ser de hábitos e rotinas: habitua-se a levantar cedo de manhã, a ir trabalhar, a almoçar fora, a ir buscar os filhos à escola... E quando surgem mudanças repentinas nessa rotina, nós estranhamos.

"Algo não está certo" - pensamos - "Algo está fora do normal, ou seja, daquilo a que eu estou naturalmente habituado/a; e logo isto não pode ser bom sinal" e começamos a entrar numa corrente de pensamentos tal, que a preocupação dá lugar à ansiedade, que por sua vez, quando extrema, dá lugar ao pânico.

E tudo isto porquê? Porque estamos habituados a que as coisas corram exatamente como queremos/idealizamos (habituados à aparente "ordem natural das coisas"), e quando isto não acontece, é o caos. Como se fosse possível termos o futuro da nossa vida nas nossas mãos, como se fossemos alguma vez capazes de controlar o nosso destino...

Não somos, e não há mal nenhum nisso. Quando viémos para este mundo não assinámos nenhum contrato em como teríamos uma vida perfeita, longe de problemas e preocupações... Por isso, devemos reconhecer que essa é a lei natural das coisas. Porque um dos nossos desafios, enquanto seres vivos, é mesmo esse: A maior certeza que temos na nossa vida é exatamente a ausência de certezas.

 

Outra questão tem a ver com a obrigatoriedade de estar em casa. Muitos de vós provavelmente até passam fins-de-semana inteiros em casa, outros até podem andar, ultimamente, cansados das viagens casa-trabalho e trabalho-casa, e até já falavam em tirar uns diazinhos para ficar em casa a descansar... Mas só o facto de pensarmos que agora estamos a ser obrigados a fazer algo do qual não temos escolha, sentimos a nossa liberdade em causa, como reféns no nosso próprio lar.

Ao invés disso, podemos olhar para a quarentena como um período temporário, o que implica que as medidas implementadas pelo governo são passageiras; como uma forma de nos protegermos (e pensarmos que estamos em casa por um motivo válido, que tem a ver com proteger a nossa saúde e a dos outros), e aproveitarmos este tempo para reflectirmos, crescermos e até desenvolver novos hábitos e competências em nós (neste momento há muitos cursos online em funcionamento, há ebooks disponíveis, aplicações, jogos e vídeos lúdicos para passarmos o tempo, etc.). Caso queiram mais dicas de como podem passar o vosso tempo, podem ler este post.

Claro que devemos ter em conta que é normal por vezes sentirmo-nos mais tristes, preocupados ou sozinhos - porque toda esta é uma situação nova para nós -, e nessas alturas é importante não sermos duros connosco, aceitarmos aquilo que estamos a sentir, e falar com alguém. Estamos todos no mesmo barco, por isso bora ajudar quem mais precisa 

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

20 coisas para fazer em casa, em tempos de quarentena

 

1- Fazer um diário da gratidão. A partir de hoje, eu vou aderir a este desafio no meu instagram. Todos os dias vou enumerar algo pela qual estou grata. Pode parecer algo pouco significante, como estar grata por estar a comer a minha refeição preferida por exemplo, mas ao fazermos isto estamos a dar conta das coisas boas que temos direito, e a deixar de tomá-las como garantidas (como acabamos por fazer, por vezes) ;
2- Praticar exercício físico. Não precisamos de muito espaço para praticar algum exercício físico, e é uma maneira de ajudar a manter o nosso sistema imunitário forte (o que, por sua vez, ajuda a combater as doenças!);
3- Fazer chamadas/ videochamadas a familiares, amigos e colegas. Hoje em dia não há desculpas para não mantermos um contacto regular com aqueles que mais gostamos - podemos agradecer aos nossos amigos WhatsApp, Facebook, e Skype;
4- Pedir ajuda, sempre que precisar. Seja para desabafar ou falar de algumas das suas preocupações, é importante pedir ajuda sempre que tenha necessidade;
5- Fazer maratonas de filmes/séries. É um óptima oportunidade para começar a acompanhar uma nova série na Netflix, ou HBO; ou ainda fazer uma sessão de cinema caseiro (sem esquecer as pipocas, claro!   );
6 - Manter, o melhor possível, as nossas rotinas. Levantarmo-nos e deitarmo-nos às horas do costume, e continuar a mantermo-nos ativos é importante para a nossa saúde física, e psicológica.
7- Fazer uma alimentação equilibrada.
8- Ter hábitos de sono saudáveis.
9- Mantermo-nos informados por um lado, e limitar a exposição às redes sociais e media, por outro. Devemo-nos manter informados sim, em sites fidedignos como a DGES ou a OMS, mas atenção à exposição de notícias em demasia. É importante mantermo-nos atualizados e informados acerca do que se passa, mas também devemo-nos ocupar de outras atividades, para não corrermos o risco de aumentar os nossos níveis de stress, e ansiedade.
10- Apostar em novos hobbies. Esta é também uma oportunidade de explorarmos uma atividade de lazer nova para nós (aventurarmo-nos pelo mundo da culinária, do desenho, começarmos a escrever um livro...). Quiçá temos um talento escondido que desconhecemos?... 
11- Visitar museus virtuais. Sabiam que podem usufruir de visitas guiadas a museus, mesmo sem saírem de casa? Eu também não, mas descobri que podemos  É só irem a este site para explorarem um bocadinho mais a cultura do nosso país, e de outros também!
12- Aprender novas línguas. O Duolingo é uma excelente aplicação para quem gostaria de aprender uma nova língua. E tem uma plataforma apelativa e didática, acessível para todos!
13- Meditar regularmente. É também ela uma forma de combatermos a nossa ansiedade, e mantermo-nos psicologicamente sãos e saudáveis, em tempos de crise. Aconselho-vos vivamente a youtuber portuguesa Lisa Joanes, que tem várias playlists de meditações guiadas que gosto muito;
14- Apostar nos jogos online.
15- Cozinhar novas receitas.
16- Ouvir podcasts. No Spotify, Soundcloud e Castbox disponibilizam centenas (ou milhares) de podcasts, estrangeiros e portugueses, que nos podem ajudar a passar esta quarentena, e a fazer-nos sentir menos sozinhos. Aconselho-vos a Terapia de Casal, Mensagem de Voz e Sozinho em casa.
17- Justdance no youtube. Se são fãs de dançar, mas não têm o jogo em casa, não se preocupem. O Justdance disponibiliza um canal do youtube com algumas das músicas do jogo, por isso já sabem de uma óptima maneira de se divertirem com a famelga por casa... 
18- Pôr as leituras em dia.
19- Escrever no blog. Se ainda não têm, porque não começar um hoje? É rápido, gratuito, e numa altura como estas o blog torna-se numa excelente companhia! 
20- Acima de tudo, mantermo-nos optimistas, e confiantes! Sei que por vezes não é fácil mantermos uma atitude positiva, especialmente com as notícias que somos bombardeados diariamente, mas no final do dia temos de pensar que estamos a fazer a coisa mais correta em ficar em casa. Estamos a cuidar de nós, dos outros, e acima de tudo estamos a dar mais um passo para que esta pandemia se extinga de vez 
 
Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

O coronavírus e o medo instalado

coronavirus-1.png

 

Já não há quem não tenha ouvido falar nele. As notícias sobre o coronavírus multiplicam-se, e a divulgação de informações acerca desta epidemia está longe de chegar ao fim. Mas que impacto é que o coronavírus tem, afinal, na nossa saúde mental?
Hoje, o bastonário da Ordem dos Psicólogos publicou um artigo acerca dos efeitos psicológicos que este surto epidémico pode ter na população, e eu não podia estar mais de acordo com ele.
 
Atualmente, temos acesso a uma quantidade de informação brutal acerca desta doença, pois as notícias sobre ela são diárias: nos noticiários não se fala de outra coisa, enchem as primeiras páginas dos jornais, até no trabalho fala-se da importância da prevenção, e discute-se o alastramento da doença. É um facto incontestável!
Mas até que ponto não estão os media -e nós próprios (?)- a contribuir para a desinformação? Temos plena noção de que excesso de informação nem sempre é sinónimo de informação fidedigna… Especialmente quando ainda estamos numa altura de descoberta, e de conhecer realmente do que é que se trata o coronavírus.
Simultaneamente, o excesso de informação vai contribuir para uma maior dificuldade em interpreta-la levando, por isso, ao aumento da ansiedade e do stress; e ao desenvolvimento de outra componente, em nós,… o medo.
Por sua vez, o medo vai-nos levar a tomar atitudes irracionais e desesperadas, sem nos fazer refletir sobre as suas consequências. No seu extremo, pode levar ao caos. E nalguns países já estamos a ver muitos exemplos disso: supermercados com as prateleiras de refeições enlatadas vazias, pois as pessoas tencionam isolar-se do mundo de forma a manterem-se afastadas do vírus; o stock de máscaras e desinfetantes esgotado, etc.
Na minha opinião, é perfeitamente normal de se sentir alguma tristeza, desconforto e preocupação quando estamos perante uma epidemia deste género (pois quando desconhecemos algo, estranhamos); no entanto, quando estes sentimentos tomam proporções maiores, correm o risco de levarem ao isolamento social, ataques de pânico e, até, ao desenvolvimento de uma patologia depressiva.
Por isso, em alturas de crise, como esta que estamos a viver agora, é muito importante que não nos isolemos. Falar com amigos, familiares, e pessoas em quem confiamos são algumas das técnicas que nos podem ajudar a lidar com os sentimentos mais negativos.Devemos também: mantermo-nos focados num hobbie/actividade que gostamos, praticar exercício físico e manter estilos de vida saudáveis.
Para além disso, ao invés de esgotarmos o stock de comida enlatada, vamos antes apostar em escolhas alimentares saudáveis para manter o nosso sistema imunitário forte (porque isto sim, ajuda a combater as doenças!), e ao invés de abusarmos no uso das máscaras (que já se mostraram ineficazes na prevenção), vamos antes apostar na correta, e frequente, lavagem das mãos (com sabonete ou desinfetante), e ao invés de pararmos de comer carne (com receio de que os animais possam estar infetados), vamos antes cozinhá-la conforme as indicações da OMS.
Resumidamente, é importante tomarmos as precauções necessárias sim, mas há que ter em conta que apesar de todos os alarmismos (no meu ponto de vista, por vezes excessivos), a taxa de mortalidade do coronavírus permanece relativamente baixa, sendo também influenciada por muitos outros fatores.
Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

O dia mais caricato de sempre.

Ontem tive um dia daqueles... Sabem aqueles dias em que vocês pensam "O que mais é que falta acontecer?" e o universo surpreende-vos?! Foi um dia desse género. 

 

Para começar, estava a ter um dia de cão no trabalho, com mil e quinhentas coisas para resolver ao mesmo tempo, e já parecia uma barata tonta a andar de um lado para o outro. Para melhorar, as clientes que eu tinha para atender ao final do dia atrasaram-se, o que me fez sair mais tarde do trabalho...

Estava eu já de saída do trabalho, a olhar ao relógio e a pensar "Eish, hoje saí mais tarde e ainda tenho quase 2h para chegar até casa, vou chegar estafada", quando nisto vêm ter comigo a chamar-me para resolver uma situação ("É urgente!!"). 

Quando a situação ficou (aparentemente) resolvida, lembrei-me que ainda não tinha lanchado e que não tinha levado nada para comer, então tive que me dirigir ao café mais próximo do local de estágio e comprei um travesseiro para comer (que ultimamente tenho andado viciada...).

Nisto, lembrei-me que tinha-me esquecido completamente da pen no trabalho, e que ainda tinha coisas para fazer quando chegasse a casa, e precisava da pen, então toca de voltar ao trabalho! Nesse momento, vejo o meu autocarro a passar, e só pensava 'fuuuuck'...

Fui buscar a pen, dirigi-me imediatamente à paragem de autocarro, e comecei a comer o travesseiro de uma forma desmedida porque nessa altura já tinha uma fome incontrolável dentro de mim. Nisto chega um autocarro à paragem, e eu, no desespero de só querer chegar a casa, apanho-o logo e nem reparei para onde ia (dêem-me um desconto, ok? Estava a ter um dia de cão )!

Dentro do autocarro, perdida nos meus pensamentos, demorei algum tempo até dar-me conta que o autocarro não me estava a levar para a estação de comboios (para ir para minha casa), mas sim para um caminho diferente. Desesperada, carreguei no "STOP" e saí na paragem seguinte, ao qual ainda tive que fazer uns 15 min a pé até chegar à estação.

Quando cheguei lá, mais que estafada, tive que esperar um bom bocado pelo comboio, e quando este finalmente este chegou, só apanhei lugar sentada à frente de uma rapariga que passou a viagem toda a dar-me pontapés na minha cadeira (o que tornou a viagem numa experiência tão diferente e agradável, como podem imaginar... )

Chegada quase a casa, lembrei-me que era melhor carregar o passe já naquele dia, visto estarmos já no final do mês. Dirigi-me ao balcão de atendimento, fiquei na fila e esperei, esperei... Quando chegou finalmente a minha vez e ia pagar com o meu cartão multibanco, disseram que não aceitavam pagamentos com cartões multibanco, e lá vou eu a voltar para outra fila de outros balcões, para o poder carregar... 

Quando finalmente cheguei a casa, não encontrei ninguém e estranhei. Liguei para a minha irmã, e disseram-me que estavam todos bem, mas que o carro tinha tido um pequeno acidente (nada de grave, mas ainda assim não os impediu de ganhar um valente susto).

Assim que eles chegaram a casa, horas depois, e depois de perceber que estávamos todos sãos e salvos, dei-lhes um abraço enorme, e não consegui controlar o meu ataque de riso. Foi um dia em cheio, mas dou graças por estarmos todos bem e com saúde. Só isso interessa 

 

 

(P.S.: Posto isto, venha de lá a 6ª-feira 13, estou pronta! )

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.