Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

umacartaforadobaralho

"o segredo é teres sempre uma carta na manga"

umacartaforadobaralho

"o segredo é teres sempre uma carta na manga"

Motivos pelos quais eu odeio o facebook

    Aff...Acho que vou começar pelo facto de que TODA A GENTE tem facebook hoje em dia, até cão e gato (sim, já vi isso acontecer), o que causa, como é óbvio, que não se tenha privacidade praticamente nenhuma. Eu cá, gajinha que gosta de ter um blog anónimo e de dar um certo ar de mistério à coisa, não gosto disso. Sim, o instagram e o snapchat também são bastante usadas, mas nada que se compara ao nosso velho amigo facebook. 

    Por causa disso, acabo por adicionar o pessoal da escola básica, secundária, faculdade... o que não é mau, até a minha 'estadia' nesse grupo social terminar, e aí deparo-me com dúvidas existenciais internas: "Quem sou eu? Quais são os amigos que tirei daqui? Quero mesmo que o Manel reguila do 7º ano saiba da minha vidinha toda? Desde fotos, publicações parvas de amigos no perfil, até eventos que vou assistir?"

    Chamem-me reservada, mas eu em especial não gosto de partilhar o meu Facebook com pessoas que já não me cruzo há anos... (Se bem que honestamente, a minha vida privada não é nada interessante, e talvez por isso não quero que a vejam. Não sabendo como é, podem imaginarem aquilo que quiserem, que ando em raves e viagens todas as semanas, por exemplo... )

    Depois, o chat! Dá para ver quando estou online, quando não estou, quando leio as mensagens, quando não leio... Se por minha infelicidade clico num botão do chat a mais qualquer, ainda aceno a alguém sem querer! (ou pior...).

    Ah, e há sempre pervs no chat, ou a pedir-vos amizade. Eu sei o que estão a pensar "Põe nas definições pessoais para não aceitares pedidos de amizade." Eu até punha, mas essa funcionalidade deixou de existir no facebook! Argh...

    Publica-se tudo no feed. Tudo é notícia, TUDO. Mesmo quando se clica expressamente no botão "Não quero partilhar isto no meu feed" num evento de vida. Não, o facebook decide que toda a gente tem de estar a par que o casal do momento já não é assim tão atual, e que o empresário X já foi de frosques da empresa Y. Se eu gostasse de uma revista cor-de-rosa, lia a Tv Guia ou a Nova Gente.

    Enfim...Eu pudia debater-me sobre razões pelas quais odeio o facebook num livro quase biblíco, mas não vos quero pregar um (grande) sermão... 

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartaforado.

"A verdade por detrás da indústria do chocolate vai-vos deixar com um gosto amargo na boca"

    É esse o título de um artigo da CNN, que dei de caras hoje. Nesse artigo descobri que em pleno séc. XXI, para mal dos meus pecados, ainda existe escravatura infantil em grande parte das indústrias de chocolate do mundo, perfazendo um total de cerca de 2,3 milhões de crianças escravizadas. Isto é um crime! Um crime que todos nós, todos os dias, somos cúmplices (então eu, que ADORO chocolate...).

    E foi isso que Teun van de Keuken (Tony) também descobriu, numa das suas visitas a uma empresa produtora na Alemanha. Após comer algumas dessas barras de chocolate, decidiu entregar-se à polícia por cúmplice de escravatura, mas... adivinharam, ninguém fez nada.

    Então, ele foi procurar quatro rapazes que tinham trabalhado numa dessas empresas para testemunhar contra ele, que forneceram provas contra Teun (e outros milhões de consumidores de chocolate). O tribunal decidiu não processar Teun, porque teria de processar toda a gente que come chocolate, o que se tornaria impossível, como é de prever.

    Assim, em 2005, Teun decidiu dar o exemplo e criar o "Tony's Chocolonely", onde fez 5.000 bares de chocolate Fairtrade (política baseada na justiça e transparência do comércio), 100% livres de escravos ("slave free"). Desde aí a sua popularidade tem subido a picos, mantendo sempre a mesma prioridade: erradicar a escravidão da indústria global de chocolate.

    E é aí que vocês entram! Conheci uma pessoa recentemente que já provou o "Tony's Chocolonely" e diz que é delicioso, e desafiou-me a comprar eu própria um também! Estivemos a pesquisar, informamo-nos na net, e o grande objetivo deste senhor é, como já vos disse, acabar com este problema tão grave de escravatura infantil, a nível mundial!

    Para isso ser possível, o mercado da empresa do Tony tem de ter lucros fantásticos, para as empresas seguintes passarem a copiar esta política, e adoptá-la também. Por isso pedia—vos para experimentarem, vocês também, o "Tony's Chocolonely"! Só assim conseguíamos fazer a diferença.

    Isto pode ser uma loucura eu sei, uma utopia autêntica... Mas custa assim tanto tentarmos? Além disso, estou a pedir-vos para comprarem chocolate, caramba... Acham que fazem realmente um esforço tão grande? 

    P.S.: Eu tenho esperança (ou fé?) que isto se restrinja apenas à indústria de chocolate, mas algo me diz que existem outros exemplos por aí... Por isso, hoje, eu falo-vos desta, mas vocês estejam à vontade para me elucidar, nos comentários abaixo, de empresas Fairtrade ou de políticas semelhantes a esta que conheçam, e que queiram divulgar comigo!

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartaforado.

Pág. 2/2