Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

umacartaforadobaralho

"o segredo é teres sempre uma carta na manga"

Análise psicológica à Eliana

Casados.png

 

    Para quem não vê os Casados, a Eliana é uma das raparigas que concorreu para encontrar o seu match perfeito: é jovem, bonita, e igual a tantas outras raparigas portuguesas.

    Digo isto porque, no programa de ontem, deu para me aperceber que a Eliana tem tendência para se relacionar com rapazes mais instáveis, que procuram mais vezes o conflito. No caso dela, como o Dave é uma pessoa claramente calma, fácil de se relacionar e que a ama incondicionalmente, ela afasta-se, porque não é, como ela ontem dizia "a sua zona de conforto" - aquilo a que ela está acostumada.

    E quando analisamos a história da Eliana, podemos compreender melhor a sua tendência para relacionamentos tóxicos.

 

    Pelo que se sabe, a Eliana teve uma história de vida complicada: os pais divorciaram-se ainda em pequena (e daí provavelmente a sua dificuldade em acreditar nas relações felizes e duradouras); perdeu a mãe muito nova - numa morte muito mal explicada, levantando a própria Eliana a hipótese de suicídio (que lhe vai originar o medo de abandono: "A minha mãe, que estava a cuidar de mim matou-se, abandonou-me"); e a saída do irmão para o estrangeiro e o facto de ficar em casa dos avós pode também ter alimentado a ideia de rejeição dos outros (e daí a sua carência tão grande, que leva a uma auto-estima muito baixa: "O meu irmão, a minha mãe e o meu pai deixaram-me, ninguém me quer. Não sou desejada.").

    Compreendendo a sua história de vida, talvez seja mais fácil perceber certos comportamentos dela. Por um lado, a sua "exigência" tão grande com os outros, vêm do facto de querer alguma compensação pelo facto de nunca ter tido ninguém; por outro, esta sua "frieza" ao afastar tudo o que há de bom (Dave) tem a ver com a sua baixa auto-estima, e achar que não é merecedora de tal amor, porque nunca o foi, e por isso não seria agora que isso iria mudar.

    A meu ver, os especialistas deviam fazer aqui um trabalho de aumentar a auto-estima, e confiança, da Eliana, para fazer com que ela se amasse primeiro, para depois poder amar quem quer que fosse.

    Achei que seria engraçado deixar-vos esta minha análise ao caso, porque como devem imaginar, como ela existem muitas (e muitos) neste país, e acho importante por isso refletirmos sobre construirmos relação mais felizes, e promissoras. 

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

A minha Campanha Eleitoral

VoteCarta.png

 

    Caros bloggueiros e bloggueiras, o meu nome é Carta Fora do Baralho, e estou em campanha eleitoral para a categoria da Saúde, nos Sapos do Ano 2018

    Para quem não me conhece, aproveito para me apresentar. Tenho 24 anos, sou mestre em Psicologia Clínica e sou fascinada pelo comportamento humano. De forma geral considero-me uma pessoa extremamente feliz e positiva; adoro conhecer novas pessoas, apesar de ser extremamente tímida na vida real, e daí ter decidido começar a escrever um blog.

   Nele podia partilhar as minhas ideias, dar opiniões e ao mesmo tempo conhecer gente fantástica, que não teria oportunidade de conhecer de outra forma. Hoje em dia sou viciada no mundo dos blogs, e já não me imagino a minha vida sem ele.

   O meu objetivo, ao candidatar-me para Sapinha do Ano, é transformar a comunidade SAPO numa comunidade de bloggers mais felizes, e mais saudáveis fisicamente, e psicologicamente (tão importante nos dias de hoje). 

    Assim, se for eleita Blogger da Saúde, prometo...

  • continuar a oferta dos meus serviços de psicologia (e do meu Consultório), aberto a qualquer leitor;
  • aumentar a taxa de respostas aos vossos comentários;
  • procurar e aprofundar temas pertinentes e atuais para discutir convosco, e juntos, combater estes males psicológicos, a que muitos estamos sujeitos;
  • aumentar os níveis de felicidade e de bem-estar a quem visitar o blog;
  • baixar os impostos...

    Por isso, sejam originais, votem Carta! E estejam sempre com ela na manga! 

 

 

P.S. : Estou a gozar, votem em quem vocemessês queiram! Todos os blogs apurados para a categoria da Saúde são fantásticos, por isso o que interessa é que votem! *

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

A miuda que fez o meu dia

little girl.png

    No outro dia estava na paragem de metro e, sem querer, ouvi a conversa mais épica entre uma avó e a sua neta.

    A miuda não devia ter mais que uns 7 anos, era muito faladora e não parava de se mexer de um lado para o outro.

 

    Primeiro, foi uma senhora que se chegou ao pé de nós, para arranjar aquelas máquinas de venda automáticas. Nisto, a miuda salta do banco e foi a correr ter com ela, onde ficou muito atenta ao comportamento da senhora. De seguida, começou a meter conversa com ela:

"O que estás a fazer?"

"Estou a arranjar a máquina, e colocar mais comida."

"Porquê?"

"Porque alguma desta comida também já passou da validade, e é preciso pôr comida nova...".

    A avó, ao dar-se conta do que a neta estava a fazer, diz, visivelmente chateada:

"-Ó... Anda para aqui, não estejas aí a chatear a senhora! O que estás aí a fazer?"

    E ela responde, muito prontamente:

"Avó, eu estou a ver o que a senhora está a fazer, para depois aprender como se faz!"

    PIMBA. Desarmou-me logo. Mas ela não se ficou por aqui. Virou-se para a senhora da máquina e pergunta-lhe o porquê de estar ali, ao qual ela responde que é o seu trabalho, e por isso tem de fazer aquilo.

"Mas o fim-de-semana é fim-de-semana, ninguém trabalha!" - Diz a miuda, muito sábia e assertiva de si.

    A esta altura eu só pensava: Bolas, esta miuda tem mesmo pinta, hein?!

    No final, depois de ver a senhora a ir-se embora, virou-se para a sua avó e pede-lhe dinheiro para comprar umas batatas fritas da máquina. A avó diz-lhe para ir ver o preço das batatas, para lhe poder dar o dinheiro. Depois da miuda ir ver à máquina, ela só se sai com esta:

"Poxa! 1 Euro por umas batatas fritas? Mas isto é um roubo! Este é o país em que vivemos?"

 

E pronto, foi assim que eu fiquei fã de uma miuda de 7 anos.

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

#19DomingodeConsultório: Tenho depressão...

 

    Num dos últimos domingos de Consultório falei-vos de pessoas negativas, e de como lidar com elas da melhor maneira. Nesse post, o Nuno deu-me uma óptima ideia para um próximo tema "Como pode alguém que está nessa espiral negativa deixar de ser uma pessoa negativa?"

    Visto grande parte das pessoas negativas estarem, elas próprias, com uma sintomatologia depressiva, resolvi por isso hoje falar-vos da depressão.

 

    Existem vários estados da depressão, sendo uns mais graves que outros. De forma geral, a depressão define-se por uma perturbação psicológica que causa profunda tristeza e sensações de "vazio" durante um grande período de tempo, pessimismo, diminuição do prazer nas atividades quotidianas, insónias, perda de energia, dificuldades de concentração, grande agitação, e até ideias de morte e suicídio frequentes.

 

Como sair da Depressão?

 

  1. Procurar acompanhamento psicológico/psiquiátrico. Em primeiro lugar, se conhecem alguém que tem experienciado, ou se têm tido este tipo de sintomas ultimamente, aconselho vivamente o reencaminhamento psicológico, ou psiquiátrico (nos casos de depressão grave, a toma de medicamentos é fundamental para que a intervenção seja eficaz).
  2. Aceitar quem somos, e o que sentimos. Substituir a ideia de "Eu sou uma pessoa depressiva" por "Eu sou uma pessoa, que calha a ter depressão. A depressão não faz de mim quem eu sou." Aceitar que os nossos sentimentos são válidos, e que se temos um dia menos bom, é normal termos sentimentos mais negativos. No entanto, temos de tomar estas emoções como passageiras, e que tão depressa vêem como vão (as emoções de hoje não pertencem ao amanhã).
  3. Registar as mudanças de humor. Manter um diário ou mesmo um blog onde falamos sobre o que sentimos (o que correu bem/ e o que correu menos bem no dia de hoje, por ex) vai ajudar-nos a ter a perspetiva de que as nossas emoções não são permanentes, tal como o nosso estado depressivo não é.
  4. Manter boas relações sociais. É fundamental rodearmo-nos de pessoas positivas (amigos, familiares...), com quem possamos desabafar e passar bons momentos.
  5. Definir (pequenos) objetivos e recompensarmo-nos. A depressão leva-nos muitas vezes a sentir desmotivados e com a sensação de não termos feito nada durante o dia, definir pequenos objetivos é por isso fundamental para nos sentirmos melhor. Coisas como "fazer o almoço" ou "mudar os lençóis da cama" são exemplos de objetivos diários que nos podemos comprometer a fazer.
  6. Criar rotinas. Para além disso, esta doença tende a desorganizar completamente os nossos dias, visto que eles passam a ser todos iguais uns aos outros. Criar hábitos de rotinas pode facilitar a sair da "espiral negativa" (ex: às 9h vou acordar e tomar o pequeno-almoço, às 10h vou fazer exercício, às 11h aproveito para dar um passeio de meia-hora antes do almoço...)
  7. Ter comportamentos saudáveis. Desafiarmo-nos a ter e desenvolver hábitos saudáveis é fundamental para lidar com a depressão: fazer uma alimentação saudável, praticar exercício físico, dormir pelo menos 8h/noite, praticar meditação, sair de casa, visitar um museu, aprender uma língua,etc.
  8. Responsabilizarmo-nos. Manter um estilo de vida com alguma responsabilidade pode ajudar a combater a depressão. Seja a nossa preocupação com a nossa prestação na escola, no trabalho ou até o facto de fazer voluntariado, traz-nos grandes sentimentos de realização.
  9. Reconhecer a "voz negativa" e desafiar pensamentos negativos. Muito do "trabalho" para combater a depressão tem a ver com os nossos pensamentos e a forma como encaramos a vida. A próxima vez que sentirmos chegar uma crença mais negativa sobre nós, - por ex: ninguém gosta de mim, estou sozinho/a -, devemos tentar desafiar aquilo que estamos a pensar, e reestruturar o nosso pensamento: Será mesmo verdade aquilo que penso? Que evidências eu tenho para pensar desta forma? Não será este mais um pensamento causado pela depressão?
  10. Experimentar algo novo. Está cientificamente comprovado que ao experimentarmos algo novo (fazer uma receita nova, ler um livro, passearmos a um lugar desconhecido) aumenta a dopamina no cérebro, químico que é responsável pela libertação de prazer e alegria. 

    Por último, se conhecerem alguém que tem pensamentos suicidas recorrentes, contactem por favor a linha de apoio à prevenção de suicídio SOS Voz Amiga para que vos possam ajudar: 21 354 45 45, 91 280 26 69 e 96 352 46 60.

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

Pág. 2/2