Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

umacartaforadobaralho

"o segredo é teres sempre uma carta na manga"

umacartaforadobaralho

"o segredo é teres sempre uma carta na manga"

#26DomingodeConsultório: O que é o binge eating?

magali.png

 

    Bom domingo a todos! Hoje trago-vos um tema sugerido por uma estimada leitora do blog:

 

"Gostaria de saber porque acontece o binge eating, e estratégias para o combater. Isto porque penso que normalmente as pessoas associam problemas alimentares apenas à anorexia e bulimia, mas não associam o facto de comer como distúrbio."

 

    Tens toda a razão! Muitas vezes este distúrbio passa-nos um bocadinho ao lado, mas é frequente esta ingestão descontrolada da comida, estar, também ela, relacionada com um problema do foro mental.

    O Binge eating, ou o Transtorno de Compulsão Alimentar, define-se pela ingestão de uma quantidade de alimentos definitivamente maior do que a maioria das pessoas consumiria, durante um determinado período de tempo. A par do sentimento da falta de controle (não se conseguir parar de comer).

 

PORQUE SURGE?

    Na maior parte das vezes o binge eating surge associado a outro tipo de transtornos/diagnósticos. Como:

  1. Transtorno depressivo: No caso de um episódio depressivo prolongado, tende-se a verificar o aumento da ingestão alimentar, associado muitas vezes à perda de controle que caracteriza um indivíduo com depressão.
  2. Transtorno bipolar: A compulsão e a ingestão desordenada também estão presentes no transtorno bipolar e, tal como a depressão, se se considerar que o indivíduo preenche todos os critérios para o transtorno bipolar, ambos os diagnósticos deverão ser dados.
  3. Transtorno da personalidade borderline: Na perturbação borderline, um dos sintomas frequentes tem a ver com a impulsividade do sujeito que, em muitos casos, pode também originar comportamentos de binge eating.
  4. Ansiedade.

 

COMO COMBATER O BINGE EATING?

    Infelizmente, caso se trate de um caso de Transtorno de Compulsão Alimentar, a situação não está inteiramente dependente da força de vontade do indivíduo. Como pode haver muitos fatores psicológicos por detrás que o indivíduo nem se dê conta (stress, eventos de vida negativos, ansiedade, depressão...), é fundamental existir um apoio psicológico que seja focado nas problemáticas do indivíduo, para poder haver uma recuperação total. Contudo, é muito importante:

  • O apoio da família e amigos, que ajudem o indivíduo a incutir (e manter!) hábitos alimentares saudáveis;
  • A intervenção de um nutricionista. E aqui é fundamental que seja dada uma dieta: agradável para a pessoa em questão, focada nos alimentos que gosta (e nas quantidades indicadas que deve ingeri-los), e que não haja uma restrição alimentar muito grande.
  • Prioritizar alimentos: comer essencialmente alimentos ricos em fibra! Frutas, hortaliças, verduras... deixam-nos mais saciados, e assim ficamos mais tempo sem o sentimento de fome/vazio.
  • Praticar exercício físico. Por muito estranho que possa parecer, praticar exercício físico regularmente traz-nos grandes sensações de prazer e bem-estar, e logo, ajuda a combater a compulsão alimentar.
  • Planear a semana, e arranjar horários certos para comer. Estudos dizem que organizar planos para durante a semana (como atividades que dêem prazer ao indivíduo: pintar, passear, escrever, ler...), e arranjar uma rotina de horários para as refeições traz mais tranquilidade ao indivíduo com compulsão, e diminui os comportamentos de binge eating (muitas vezes provocados pelo jejum prolongado).

    O que acharam do tema de hoje? Têm alguma proposta para o próximo Domingo de Consultório?

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

4 comentários

Comentar post