Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

umacartaforadobaralho

"o segredo é teres sempre uma carta na manga"

Desabafo de uma profissional de atendimento da linha SNS24

 

Bem sei que não tenho dado notícias desde há algum tempo (para aquela meia dúzia de gatos pingados que ainda me segue por aqui - nem sei como -, obrigada! ), mas quero que saibam que a minha intenção nunca foi abandonar o blog.

Eu tenho um carinho muito especial por este meu espaço, mas sentia que precisava de algum tempo para pôr a minha sanidade em dia para depois poder 'arrumar' aqui as minhas ideias.

No entanto, o assunto do post de hoje é demasiado importante para não ser mencionado aqui no blog, por isso achei que esta era a melhor maneira de fazer o meu regresso aos blogs da Sapo.

Durante este tempo, tive a oportunidade de estar a realizar atendimento remotizado na linha SNS24 a doentes Covid-19, e por isso hoje venho contar-vos um pouca da minha experiência (e daquilo que vos posso partilhar).

Iniciei o meu trabalho na linha no mês de Novembro, altura em que as chamadas eram poucas, havia um bom tempo de espera entre chamadas, e o atendimento em si era relativamente fácil de se prestar. Atualmente, em Janeiro de 2021 (e desde finais de Dezembro), a linha SNS24 está um caos.

Vieram as épocas festivas, e tudo piorou. Neste momento, as pessoas chegam a passar horas em fila de espera para serem atendidas (com, ou sem sintomas). E não é por falta de pessoal a trabalhar na linha porque, acreditem, somos imensos: desde médicos, enfermeiros, farmacêuticos; a psicólogos, dentistas, etc.

Foram festas de fim-de-ano que correram para o torto, Natais passados com a família alargada, pessoas a dormirem em casa umas das outras, a apanharem boleia de carro juntas.... A lista não tem fim. E apesar de haver ainda casos de pessoas que apanham Covid-19 no local de trabalho ou nas escolas, eu acredito piamente que a maioria dos casos de Covid-19 podiam ser totalmente evitáveis se as pessoas tivessem sido mais responsáveis, e tido em conta as recomendações da DGS.

Isto não é uma simples gripezinha, uma coisa que "só acontece aos outros". Estamos a falar de uma doença que se manifesta de forma muito diferente, de pessoa para pessoa, e acreditem que também atendo pessoas mais jovens com sintomas graves, por isso não desvalorizem nunca a importância da prevenção.

E mais uma coisa que me apercebi que muita gente não está informada: Deve-se ligar para a linha SNS24 não só quando se tem sintomas da Covid-19 (sendo que estes são muito variados por isso em caso de dúvida, liguem sempre!), mas também quando se teve em contacto directo com uma pessoa que testou positivo à Covid19, mesmo que não se tenha sintomas!! Só desta forma é possível que os técnicos façam a correta avaliação da situação de risco, e vos deem as indicações necessárias.

 

É muito importante que passem esta mensagem para que todos consigam estar a par destas diretrizes, e juntos conseguimos travar esta pandemia. Neste momento, esta é a melhor maneira de todos nós agradecermos aos profissionais de saúde por todo o seu esforço e dedicação 

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

4 comentários

  • Sem imagem de perfil

    s o s 12.01.2021 23:44

    primeiro.
    vá lá saber-se porque, só ve problema no SNS desde 2015. Sim, ok, é quando lhe aconteceu o caso que relata. Eu posso relatar o meu, anterior a esse ano, e outros poderao relatar casos em todos os anos anteriores.

    Tudo o que diz, faz sentido para toda a gente, ate parece um politico em campanha, e receberia a unanimidade dos votos.

    Mas no final , borra a pintura. Acho que ia tao bem lançado que nem se apercebeu. Eu explico, apesar de voce ate parecer ser um profissional na tal linha da frente : a pandemia nao é um problema do SNS. Nenhum serviço no mundo, agora ou depois, estará capaz de responder a uma pandemia. O que voce diz, neste particular , é delirante, mesmo perigoso. Repito : Nenhum serviço de saude alguma vez travará uma pandemia. Só o confinamento.
  • Sem imagem de perfil

    Miguel 13.01.2021 08:53

    A referência ao ano de 2015 é simples...não querer prejudicar ainda mais a notória falta de competência dos diversos governos/cores políticas que governaram o país nos últimos 30 anos. Cinco anos deveriam ser suficientes para aprenderem alguma coisa... por exemplo: reunir condições para se estar prevenido. Se for ainda mais atrás no tempo... o leque de falta de competência do SNS (não dos seus profissionais no terreno, mas de quem os orienta) posso apresentar mais casos que o comprovam. Só o confinamento? Explique então porque razão outros países que indica, adotaram no mês de dezembro medidas bem mais restritivas em comparação com PT e ainda assim estão em péssimos lençóis perante a escalada de casos?Diz que o problema não está no SNS... explique então porque razão não há mãos a medir com os casos c o v i d, tal como não há mãos a medir com tudo o resto que não foi devidamente acompanhado nos últimos 10 meses e que já provocou uma onda de excesso de mortalidade em comparação com os últimos 10 anos (mesmo excluindo as mortes pelo vírus).Vamos então assobiar para o alto e deixar que mais profissionais emigrem (e bem) por falta de condições de trabalho / financeiras? Vamos continuar assobiar para o alto perante hospitais em ruptura ano após ano? Vamos continuar acreditar que o SNS tem que dar lucro?Quais foram os resultados práticos do confinamento por esse mundo fora? Ficou tudo na mesma ou pior.
  • Sem imagem de perfil

    Miguel 13.01.2021 08:54

    Confinamento resultaria se houvesse certezas que o bicharoco acabaria por desaparecer... sucede que não vai.O bicharoco não é o papão... ataca os mais frágeis, tal como a gripe mal curada já atacava os mais vulneráveis (já experimentou não curar uma gripe como deve ser?)Devemos proteger os mais vulneráveis, cuidar dos mesmos nas palminhas da mãos como se fossem a coisa mais preciosa e deixar quem não tem medo do bicharoco / reúne condições de saúde andar com a vida em diante, dando suporte a uma sociedade que perante o modelo atual não pode parar.Um vírus que não é detido pela maioria das máscaras que são usadas pelas pessoas, um vírus que circula por todo lado que inviabiliza a ideia que basta ter um par de mãos sempre desinfetado para não contrair o mesmo... um vírus que resulta numa "doença" que na maioria dos casos para se saber que o temos é preciso fazer um teste... é disto que fugimos? (já parou para pensar que a marioria dos sintomas... falta de olfato e/ou paladar / dores no corpo / febre / cansaço extremo... já surgiam perante uma gripe?)Quando tudo isto desaparecer... será que vai haver alguma coisa que não teremos medo?Já se deu ao trabalho de questionar como está a vida de quem trabalhava na indústria hoteleira para comer, pagar a casa, educar os filhos, sobreviver?Já se deu ao trabalho de questionar como está a vida de quem trabalhava no pequeno comércio para comer, pagar a casa, educar os filhos, sobreviver?Já se deu ao trabalho de questionar como está a vida de quem trabalhava na aviação e toda a rede de suporte à mesma para comer, pagar a casa, educar os filhos, sobreviver?  
    Já se deu ao trabalho de questionar como está a vida de quem trabalhava em pequenos negócios de apoio a inúmeras "indústrias" que hoje estão confinadas e que viram os seus rendimentos cair por terra... não têm hoje €€€ para comer, pagar a casa, educar os filhos, sobreviver?
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.