Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

umacartaforadobaralho

"o segredo é teres sempre uma carta na manga"

Reflexões de quem já está há demasiado tempo fechada em casa

 

Comecei a fazer um "diário da quarentena" a partir de Março do ano passado (pensando que ia durar 2 ou 3 meses, tão inocentezinha...), onde escrevia os meus pensamentos e sentimentos durante o primeiro confinamento, e desde então nunca mais parei.


Agora, que já faz quase um ano da sua existência, resolvi partilhar algumas das minhas reflexões, tiradas destes desabafos diários em pleno confinamento.


1º O ser humano é claramente um ser social, extremamente dependente daqueles que estão à sua volta (por muito que nos custe admitir...). Até para mim, que me considero uma introvertida assumidíssima, já acho demasiado tempo para estar sem pessoas à minha volta (sem ser a minha família claro, que coitados, já não me devem poder aturar );

2º Durante a pandemia, todos nós reavaliámos as nossas relações (familiares, de amizade e amorosas). A nossa interação com os outros neste período inevitavelmente alterou-se, sendo na sua maioria feita pelas redes sociais, o que naturalmente afectou a forma como nos relacionamos com os outros. Aproximou-nos mais de umas pessoas, afastou-nos mais de outras, mas de modo geral acho que nos fez dar mais valor às pessoas que estão para ficar na nossa vida;

3º Temos uma capacidade de adaptação e resiliência muito maior do que imaginávamos!  Não só superámos um primeiro confinamento, como estamos agora a lidar com um segundo - com todas as exigências e desafios que ele exige, obviamente, mas sempre com as ferramentas necessárias para o "aguentar" (por muito difícil que possa parecer).

 

E por esse lado, como estão a lidar com este 2º confinamento? Que reflexões tiram desta experiência?

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.