Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

umacartaforadobaralho

"o segredo é teres sempre uma carta na manga"

"Situationship"

    Como leitora assídua das histórias do Snapchat, hoje na Cosmopolitan falavam das 'Situationship' como um novo trend das relações românticas (como se estas já não fossem complicadas só por si). Aparentemente, situationship é o nome que se dá às relações que se situam entre o "sexo casual" e o "numa relação". Traduzindo, é o pesadelo de qualquer um. Segundo o artigo, esta situationship é bastante frequente quando os casais estão a ver se 'funcionam' ou não juntos, se a coisa avança, ou não (apesar da coisa já estar bastante avançada), podendo ficar assim semanas, meses, e até anos!

    Não é simplesmente estarem-se a conhecer pela primeira vez... É já se terem conhecido imensas vezes, (a sua genitália também), e os amigos e família já terem sido apresentados, apenas não como namorado/a. Em suma, é como estar num relacionamento sempre à espera de alguma coisa, não se sabe é muito bem o quê. Provavelmente alguma coisa má, digo eu, para deixarem de estar juntos de uma vez.

    Não sei se já deu para perceber, mas eu acho isto uma das coisas mais ridículas que ouvi até hoje. E pelos vistos não sou a única a achar, pois pelo que dizia no artigo, pessoas que têm este tipo de relação sofrem grandes picos de ansiedade, tristeza frequente, medo de abandono, etc.. E quando acaba essa 'semi-relação', os resultados são bem piores do que numa relação real porque (cit. Cosmopolitan):  'Quem é que vai compreender o desgosto amoroso de alguém, que nunca teve numa relação em primeiro lugar?'

    Não sei se sou eu que estou a ficar velha, mas no meu tempo, as pessoas conheciam-se durante dias, meses, anos, o que fosse..., apaixonam-se, e se fossem correspondidos, que bom, estão numa relação. Se não, ficavam tristes, mas pelo menos já sabiam, e seguiam para outro!

    O que quero dizer com isto é o seguinte: Rapazes e raparigas deste país, não percam tempo das vossas vidas com pessoas que claramente não estão interessadas em vocês. Se estivessem, assumiam-vos a 100% como vossa namorada, ou namorado, e não vos fazia perder tempo, e investimento emocional (muito importante!). 

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

2 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Portuguesa 05.05.2017 20:48

    Tu chamas liberdade ao que eu chamo de libertinagem, mas para ser libertinagem não há, nem deve haver, laços emocionais. Sexo pelo sexo, pelo prazer, pelo momento. Assim como os animais, sendo que esses têm o imperativo da reprodução, enquanto que nós não, é só mesmo porque sim...

    Os muitos termos agora usados nestas descrições patéticas e nestas tentativas de justificação do injustificável apenas servem para dar continuidade a comportamentos auto-destrutivos e que ajudam os psiquiatras a facturarem (e muito!) em cima destes/as patós!

    Também eu estou a ficar velha, tal como a autora deste blog, pois este tipo de comentários e notícias só me causam asco. As mulheres desvalorizam-se todos os dias, a olhos vistos, sendo uma vergonha para mim puder ser comparada com qualquer "espécime" desses que se dispõe a ser uma "fucktoy" de alguém e que depois chora... tadinha... que os homens só querem é sexo... que ninguém a leva a sério... que não há homens a sério.... só desculpas esfarrapadas!

    Montes de tretas de pessoas da treta, que se tratam (e tratam os outros) como lixo e depois querem ser vistas como pessoas...
    Estranhos tempos estes.
    Estranhas pessoas que se dedicam à prostituição e nem sequer têm a esperteza de cobrar por isso.

    Por fim, agradeço a autora deste blog, que não conhecia mas que gostei do artigo e da sua posição sobre o tema do mesmo.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.