Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

umacartaforadobaralho

"o segredo é teres sempre uma carta na manga"

umacartaforadobaralho

"o segredo é teres sempre uma carta na manga"

Casei os anos!!

    Fiz ontem, dia 23, os meus 23 anos. E como ouvi por aí dizer que isso significa que casei os anos, achei melhor fazer nada mais, nada menos, do que os meus votos de casamento. Se é para casar, que seja à grande!

Por isso mesmo, Eu prometo (que vou tentar)...

  • ...Nunca mais deixar uma série a meio;
  • ...Deixar o par das meias sempre um ao pé do outro, para quando sairem da máquina de lavar eu as encontre, e não tenha que fazer figura de tontinha, e usar meias de cores diferentes;
  • ... Acordar mais cedo para fazer exercício. Ok, é melhor tirar a última parte. Acordar mais cedo, só. (Hmm.. é melhor corrigir: Acordar mais cedo, só).;
  • ...Variar a música que meto como despertador, para depois não me fartar dela (já não posso com a música da Áurea - Busy for me);
  • ... Regar mais as minhas plantas, para que não morram tanto (preocupa-me que, algum dia destes, possa ir presa por assassínio de plantas);
  • ...Olhar mais para a data de validade da comida, para que não me aconteçam outra vez acidentes daqueles na wc... :(
  • Por último, prometo nunca mais chamar-me velha a mim própria, especialmente num post da sapo. Porque vou ser algo de muita piada 

    Ok, agora a sério... Claro que tudo o que disse acima era muiiito importante, mas ainda mais importante do que isso é que esteja cá para assistir a tudo isto passado outros 23 anos, e depois outros 23 anos, e depois outros 23... Porque na minha mente vou ser imortal.

    Imortal, imortal, não digo; mas que passe mais anos felizes com saúde, e com os que quero ao meu lado, é o que mais desejo.

    Happy B-day to me 

Como é a vida de casado?

    No meu trabalho, como sabem, dou acompanhamento psicológico a vários utentes, desde crianças a idosos. As temáticas que cada um vem abordar comigo são sempre diferentes, apropriadas para cada caso: seja a motivação para a escola, aprender a lidar com o stress do emprego, problemas matrimoniais... E hoje queria-vos falar do caso de um senhor que tive o prazer de seguir, durante algum tempo, que me ensinou imenso a mim, e eu espero ter ensinado imenso a ele também.

    O principal motivo que o trouxe à consulta foi a sua dificuldade em encarar o envelhecimento na vida do casal, porque já estava casado com a mulher há 50 anos, e provavelmente por isso tinham agora maior dificuldade em 'aguentar' os defeitos (e feitios) de cada um. "50 anos é imenso tempo....".  pensava eu, "Qual é o vosso segredo?" perguntei, em tom de brincadeira. Ao que ele me responde que foi "A paciência, a capacidade em 'adaptarem-se' um ao outro, e o compromisso que tiveram na base de tantos anos felizes ao seu lado..."

    Não foram raras as vezes em que o paciente me disse em consulta que fazia 'acordos' com a mulher, de forma a que os dois ficassem felizes. No caso deles, por exemplo, ele considerava-se uma pessoa muito sociável e divertida, enquanto ela era mais tímida e reservada. Por isso mesmo, ele combinava com a mulher irem os dois semana-sim/semana-não a uma excursão juntos, e em troca, todas as sextas-feiras eles faziam uma sessão de filmes 'caseira', onde a mulher escolhia o filme a ver. E isso aplicava-se a tudo, inclusivamente às lidas domésticas! Era impressionante a forma como este casal, com personalidades e objetivos claramente opostos, conseguia completar-se tão facilmente um ao outro: "Somos como o Ying e o Yang", dizia-me ele em tom de brincadeira.

    Claro que este senhor estava em consulta por um motivo, havia ainda certos aspetos da sua vida que ele precisava de aprender a lidar. Mas a sua motivação, força de vontade, e amor para continuar a lutar pela mulher da sua vida, eram as coisas mais certas que ele tinha na sua vida. Por isso 'senhor', aonde quer que se encontre neste momento, quero que saiba que me ajudou imenso a mostrar o que é a vida de casado, e os desafios da vida adulta. E desejo-lhe uma vida com tudo de bom, muita sorte, saúde... e acima de tudo, amor eterno.

Quando o amor acaba..?

 

    Recentemente, um casal que eu conhecia e que considerava como um dos mais perfeitos, um daqueles que se apostava 1 milhão de euros como iam ficar para sempre juntos, separou-se. Ou melhor, divorciou-se (o que para mim, chega até a ter contornos mais graves). E eu como ser pensante que sou de vez em quando, pus-me a refletir demasiado sobre imensa coisa, nomeadamente no amor, no casamento, e por aí fora.

    Como romântica incurável que sempre acusei ser, sempre fui daquelas gajinhas que acreditava no casamento. Acreditava que era uma forma de expressar o amor que se tem por alguém da forma mais séria possível. Era um acto de coragem ao mesmo tempo que amoroso. Mas isto pôs-me a pensar realmente como é que na prática as coisas funcionam, e que de facto nem sempre tudo pode ser um mar de rosas. 

    Apesar de já saber disso, sempre pensei que o casamento faria tudo valer a pena. Porque lá está, é um compromisso que se têm para a vida. Mas por outro lado, devido também a isso, pode ser muitas vezes encarado como um 'contrato' no qual se têm deveres e obrigações que têm de ser severamente cumpridos, se não não estamos a desempenhar a nossa função corretamente.

    E se por um lado quero sublinhar que, atenção, isto não quer dizer que eu de um momento para o outro tenha deixado de acreditar no amor e/ou no casamento (porque tenho também excelentes provas vivas disso na minha família), por outro apercebi-me ainda mais que o casamento funciona sim, mas que não é para toda (ou para tanta) gente como eu pensava. É para aqueles que puro e simplesmente acreditam nele.

    E para isso é preciso haver algo mais que amor por alguém, é preciso também um grande empenho e esforço de ambos as partes. Porque, ao contrário das uniões de facto, no qual um casal que se separe tem mais probabilidade de se juntar de novo, nos casamentos o marido e a mulher raramente fazem as pazes e fica tudo bem. Passam entretanto por um processo de divórcio. Não é como se pudessem casar de novo, outra vez. E isso deixa-me triste. Esse pensamento de que depois do divórcio raramente à volta à dar, entristece-me. E faz-me acreditar que casar, para mim é uma ideia e experiência utópica, que eu adorava ter um dia, mas só depois de ter a certeza absoluta que estou feliz e em plena concordância em relação a isso, com a pessoa que escolher ficar ao meu lado.

 

Já tinha TANTAS saudades de ir a um casamento!

 

    Este sábado fui a um casamento no Palácio da Pena, em Sintra, e A-D-O-R-E-I! Já me tinha esquecido o quão mágico é ir a um casamento (tendo em conta que a última vez que tinha ido a um tinha sido há + de uns 3 anos..). Passar pela escolha do vestido e acessórios a levar, o penteado, a maquilhagem, as unhas, a prenda para os noivos, a boleia até lá... é tão divertido! No início começa por ser um bocado stressante, porque nunca sei por onde começar, e quero estar super preparada e arranjada para a ocasião, mas no dia do casamento todas essas preocupações se esvaneiam e já só penso em divertir-me (e aproveitar para comer bem também claro!) 

    O dia começou na casa do noivo, depois de almoço, onde se começou a tirar as fotos e a acabar os últimos preparativos. Seguimos então para o Palácio, onde nunca tinha estado, que tinha um caminho sempre a subir super inclinado, que foi onde perdemos mais tempo. A parte mais chata foi a metereologia, pois chovia a potes, tanto quando chegamos como quando íamos a sair de lá. Já no Palácio a cerimónia foi lindíssima, e o jantar estava divinal: bacalhau à brás, vitela com puré de maçã e petit gateaux para sobremesa. Tinham animação para crianças, músicos a tocar para nós, slideshows com fotos dos noivos... e tudo terminou com uma dança surpresa dos próprios noivos ao som da música Sway do Michael Buble. Foi super romântico, e eu obviamente não consegui evitar arrepiar-me toda...

    Resumindo e baralhando, QUERO MAIS!! Fiquei super "weddingsick", se isto existe sequer.  Se por um lado estou ainda cansada de sábado, por outro mal posso esperar para ir ao próximo casamento! Por isso já sabem, se se vão casar não hesitem em convidar a cartinha sff!! ;D hehe