Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

umacartaforadobaralho

"o segredo é teres sempre uma carta na manga"

umacartaforadobaralho

"o segredo é teres sempre uma carta na manga"

Como fazer o luto de um bom livro

    Há tempos fiz um post a falar em como fazer o luto de uma série, mas ultimamente - e por culpa maioritariamente da Feira do Livro () - a minha obsessão tem sido mais com as leituras.

 

    Tenho lido tantos bons livros, que depois às tantas fico sem saber como lidar com o seu final  (first world problems)...

    Por isso hoje deixo-vos aqui a forma como eu tenho feito o luto dos meus queridos recém-chegados, e abro também discussão para me dizerem a forma como VOCÊS lidam com o final dos vossos livros.

 

1. Chorar pelo livro derram-acabado.

    O truque é deitar tudo cá para fora. Deixar todas as emoções negativas saírem é o primeiro passo para um luto bem-sucedido. 

 

2. Contar a toda a gente (amigos, familiares, entes queridos...) o final da história.

    Ninguém vai querer saber, mas pelo menos vão-se fingir interessados nos primeiros 5 minutos.

 

3. Comprar mais livros do(s) mesmo(s) autor(es)

    Há melhor forma de ultrapassar uma grande paixão assolapada, do que com uma nova? (Estamos a falar de livros, não se percam!...)

    Comprem o maior número de livros que encontrarem, dos vossos autores favoritos. Aproveitem agora que a Bertrand e a Wook estão com grandes descontos!

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

Despedi-me e sinto-me melhor que nunca!

 

    Vou ser sincera convosco. A razão porque não tenho vindo ao blog não se prende unicamente pela minha falta de tempo (devido ao estágio), mas principalmente pela minha falta de disponibilidade emocional.

    Psicologicamente sinto-me esgotada, é como se o meu cérebro tivesse andado metido naquelas lutas de boxe ilegais, e tivesse apanhado um excerto de porrada...

    Como vos falei, comecei há pouco tempo a trabalhar na minha área, e apesar de estar muito feliz pela oportunidade que tive, estava também muito infeliz com aquilo que estava a fazer. Todos os dias eram-me impostas não só tarefas que não eram de todo da minha área, que exigiam um stress e desgaste muito grande, como o ambiente laboral era péssimo. Portanto, para além de fazer trabalhos de borla e horas extraordinárias, os donos desta empresa estavam constantemente a pôr em causa o meu trabalho enquanto psicóloga, criticarem-me em todas as oportunidades que tinham, e desvalorizarem tudo aquilo que eu fazia (que era demasiado) por aquela empresa.

   Resultado? Aguentei vários meses, tomando calmantes e passando noites sem dormir. Pensava "É tão difícil arranjar trabalho na minha área, tu aguentas mais um pouco, tu fazes os esforços pelos pacientes que tens..." Mas atingi o meu limite.

    Soube disso quando um paciente, em consulta, me falava dos stresses do seu trabalho e das pressões que lhe eram impostas, e eu tive que fazer um esforço enorme para não desatar a chorar. Eu não podia estar a dar conselhos a uma pessoa ansiosa, se eu vivia constantemente com crises de ansiedade. E não consigo ajudar uma pessoa com depressão, se todas as noites só me apetecia chorar...

    Cheguei ao meu limite. Se eu não estou bem comigo mesma, não estou bem para ajudar ninguém. E, precisamente por isso, despedi-me do meu primeiro emprego. E foi a melhor decisão que tomei. Se me sinto 100% curada? Claro que não, ainda é tudo muito recente. Mas hoje dei o primeiro passo para começar a melhorar, e a minha saúde mental agradece. 

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

A Uber Eats estraga a experiência de comer fora?!

111925030034479.jpg

 

    Há dias estava a comer fora com o gajinho, num McDonald's por sinal, e começámos a reparar na quantidade de pessoas da Uber Eats que chegavam para vir buscar encomendas de pedidos.

    E nisto, o gajinho começa num desabafo sobre o quão desagradável é ver um restaurante ser invadido por pessoal de mochilas verdes às costas, a ocupar muito espaço e muitas vezes a aumentar o tempo de espera de atendimento.

    Contou-me, por exemplo, que por causa da Uber Eats, no dia do Pai a fila para entrar naquele McDonald's dava a volta ao estabelecimento. "Isto para não falar das várias vezes em que fomos comer fora a outros restaurantes e que, como havia imensas pessoas da Uber Eats para atender, tivémos o dobro do tempo à espera para sermos atendidos", dizia-me ele. E tinha razão, aquilo realmente acontecera. Houve um restaurante em que tivémos quase 40 minutos para sermos atendidos.

    É claro que o problema não está nas pessoas que trabalham na Uber Eats - que estão apenas a fazer o seu trabalho -, nem nas pessoas que fazem os pedidos; mas talvez fosse melhor se os restaurantes começassem a organizar-se de maneira mais eficiente, e a arranjar formas de dar resposta a tanto pessoal (contratar mais empregados, dividir o espaço entre atendimento ao público e pedidos "take away"...)

    O que acham sobre isto? Partilham da mesma opinião?

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

"O Desaparecimento de Madeleine McCann": pais culpados, ou desesperados?

 

    Estreeou esta sexta, na Netflix, o documentário sobre o desaparecimento mais falado em todo o mundo. E eu, que já tinha ficado com a pulga atrás da orelha depois de ver o trailer, certifiquei-me de ver todos os 8 episódios do documentário, de uma hora cada (a meu ver, foi um exagero de episódios, pois 80% daquilo que diziam era repetido em cada um deles, ou eram referidos aspetos irrelevantes sobre o caso).

    E hoje vou dar-vos o meu veredicto. Depois de ter visto o documentário, que apesar de extremamente extenso é bastante detalhado, a única conclusão que posso tirar é que é impossível ter 100% certezas do que realmente aconteceu naquela noite a Madeleine, pois nunca houve qualquer prova física conclusiva. Foram considerados suspeitos o Robert Murat e os McCann, mas sem nenhuma prova bem fundamentada, apenas "suspeitas".

    Dito isto, posso também referir o seguinte:

 

  • Houve incongruências sim no discurso dos McCann e dos amigos na noite do desaparecimento. As horas em que uns diziam que foram verificar se estava tudo bem com as crianças não coincidiam às ditas pelos outros, no entanto, há que ter em conta que todos eles são médicos, e que se viesse ao de cima que as crianças estavam sem vigilância alguma, ou que lhes tinha sido dado algum sedativo para dormirem, as suas carreiras estavam arruinadas;
  • Houve várias falhas na atuação da polícia portuguesa. Por exemplo: o tempo de resposta deles foi lentíssima e a sua reação no momento muito fraca; num desaparecimento como estes, era normal que a família e amigos fossem considerados os principais suspeitos, mas só passado 1 mês é que eles começaram a ser postos em causa; o relatório enviado pela Inglaterra com os resultados das análises ao ADN que fora encontrado no carro foi só parcialmente traduzido pela PJ, de modo a fazer os pais de Madeleine parecerem culpados, etc.
  • Segundo Gonçalo Amaral, o chefe que esteve à frente desta investigação, os McCann eram os culpados pelo desaparecimento e morte da filha, que poderia ter sofrido algum tipo de acidente doméstico. Amaral dizia que, por isso mesmo, os pais queriam ocultar o corpo de Madeleine para não haver consequências para eles. Segundo ele, o corpo foi escondido numa arca frigorífica, para depois ser transportado no carro alugado para outro lugar. Pessoalmente, é-me um pouco difícil acreditar que os pais mantiveram o corpo durante 25 dias num lugar tão oculto assim, ainda para mais quando estavam a ser vigiados pelos media de 24 em 24h...
  • Se os McCann fossem realmente culpados, teriam feito todo este aparato social, e durante tantos anos? Soube-se que os pais contrataram um grande número de agências para investigar o caso, e que inclusivamente conseguiram fazer com que a investigação policial continuasse ativa até os dias de hoje! Algo que, mais uma vez, nos faz questionar sobre o facto de serem culpados.
  • Ficamos ainda com a ideia de poder haver uma perigosa rede de tráfico humano, que possa ter raptado Madeleine McCann. No entanto, fica tudo muito no ar e nada ainda foi encontrado sobre esta possível relação...

    Em resumo, e com base no documentário visto na Nelflix, parece-me que os pais de Madeleine McCann apresentaram um comportamento um tanto negligente na forma de cuidar dos filhos, mas não acho que possam ser os culpados pelo desaparecimento de Madeleine. 

    Algum de vocês também viu o documentário? O que acham sobre este caso?

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

Eu vi o Programa da Cristina!

 

    Estreou hoje o Programa da Cristina na SIC, e eu (tal como imagino milhares de pessoas) não perdi a sua estreia!

    E para quem não viu, aqui fica o resumo. O António Raminhos iniciou o programa, de toalha à cintura, na "WC" da Casa da Cristina (típico ), para depois apresentaram a nova rubrica do programa com ele, a Joana Marques e a Madalena Abecasis. Entratanto, a porta da casa da Cristina deixou de abrir e os convidados não conseguiam entrar... (o que foi super engraçado 

    Havia também um coro (sim, um coro!) cada vez que o António Raminhos dizia a palavra "bidé" (que lhe é muito característico). E por último, às tantas, apareceu o "médico ao domicílio" a falar-nos de infeções urinárias de uma forma super cómica e descontraída (se quiserem andar para trás e ver o programa, aconselho-vos a verem esta parte também!).

    Em momentos mais sérios tivemos a conversa com a mãe de Rui Pedro e com a Custódia Gallego, que são mulheres fantásticas...

    Entretanto, ligou o presidente à Cristina para lhe dar um beijinho de boa sorte, e lá me vieram os arrepios do osso à espinha.

    Houve também a rúbrica "Sobe e Desce", onde a Cristina vai viver um dia inteirada noutra realidade, diferente da dela; e neste episódio ela foi conhecer o dia-a-dia das mulheres de Castro Laboreiro. Eu gostei da ideia, mas achei que a reportagem levou demasiado tempo do programa, o que na minha opinião foi um pouco desnecessário.

    Depois disso, houve espaço para a típica crónica criminal, onde falaram do caso do Carlos Castro, tema que achei muito interessante. Por fim, houve a entrevista com o Luís Filipe Vieira, numa conversa muito informal e descontraída, onde ele falou sobre a sua história de vida, enquanto jogava às cartas com a Cristina - com risos e choros incluídos (sim, o Luís Filipe Vieira chorou! ).

    No final, achei muito inteligente o facto da Cristina oferecer ao público, que foi assistir presencialmente ao programa, viagens para o estrangeiro (o que me deixou com um bocadinho de inveja, confesso, mas entretanto fui-me empanturrar em doces e passou ).

    Resumindo e baralhando, gostei muito do programa da Cristina. Acho que foi feito num ambiente muito informal, o que eu gostei imenso; com boas surpresas; temas muito pertinentes e um conceito de "estar em casa", que foi muito agradável. Vocês, viram o programa? O que acharam? 

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

A miuda que fez o meu dia

little girl.png

    No outro dia estava na paragem de metro e, sem querer, ouvi a conversa mais épica entre uma avó e a sua neta.

    A miuda não devia ter mais que uns 7 anos, era muito faladora e não parava de se mexer de um lado para o outro.

 

    Primeiro, foi uma senhora que se chegou ao pé de nós, para arranjar aquelas máquinas de venda automáticas. Nisto, a miuda salta do banco e foi a correr ter com ela, onde ficou muito atenta ao comportamento da senhora. De seguida, começou a meter conversa com ela:

"O que estás a fazer?"

"Estou a arranjar a máquina, e colocar mais comida."

"Porquê?"

"Porque alguma desta comida também já passou da validade, e é preciso pôr comida nova...".

    A avó, ao dar-se conta do que a neta estava a fazer, diz, visivelmente chateada:

"-Ó... Anda para aqui, não estejas aí a chatear a senhora! O que estás aí a fazer?"

    E ela responde, muito prontamente:

"Avó, eu estou a ver o que a senhora está a fazer, para depois aprender como se faz!"

    PIMBA. Desarmou-me logo. Mas ela não se ficou por aqui. Virou-se para a senhora da máquina e pergunta-lhe o porquê de estar ali, ao qual ela responde que é o seu trabalho, e por isso tem de fazer aquilo.

"Mas o fim-de-semana é fim-de-semana, ninguém trabalha!" - Diz a miuda, muito sábia e assertiva de si.

    A esta altura eu só pensava: Bolas, esta miuda tem mesmo pinta, hein?!

    No final, depois de ver a senhora a ir-se embora, virou-se para a sua avó e pede-lhe dinheiro para comprar umas batatas fritas da máquina. A avó diz-lhe para ir ver o preço das batatas, para lhe poder dar o dinheiro. Depois da miuda ir ver à máquina, ela só se sai com esta:

"Poxa! 1 Euro por umas batatas fritas? Mas isto é um roubo! Este é o país em que vivemos?"

 

E pronto, foi assim que eu fiquei fã de uma miuda de 7 anos.

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

Review: Casados à primeira vista

5-3.jpg

 

    Quem daqui viu ontem o "Casados à primeira vista", na SIC?  Eu já estava super entusiasmada quando a SIC veio confirmar a sua mais recente aposta, e depois do que vi ontem, vejo que não me vou desiludir com certeza! 

    Reparei que existem algumas pessoas um pouco confusas em relação ao facto dos casais se realmente casarem ou não, e apesar de ainda não ter percebido muito bem como funciona a versão portuguesa, posso-vos dizer como funciona as estrangeiras (as quais eu já era fã!). Nos programas "Married at first sight", lá fora, as pessoas só se conhecem realmente no próprio dia do casamento, contudo elas não se chegam a casar! 

    O que acontece é apenas uma cerimónia em tom de brincadeira, e o casal vai, depois disso, viver juntos durante 8 semanas. Só ao fim desse tempo, cabe-lhes a decisão de se casarem efetivamente, ou de se separarem.

    Por aquilo que percebi, o programa da SIC vai ter algumas alterações pois todas as semanas eles vão ter oportunidade de abandonar o "casamento", algo que difere das outras versões estrangeiras.

    Em relação à estreia de ontem, gostei imenso da forma como o programa está feito. ADOREI ver a intervenção dos psicólogos (obviamente ), os testes de personalidade que aplicam aos candidatos e a forma como eles fazem a compatibilidade entre as pessoas. Até agora também gostei muito dos participantes, havendo grande diversidade: do mais cromo e divertido, até ao tipo mais atleta e sofisticado.

    Uma das coisas que posso salientar como negativo (mas isso também já acontecia nas outras versões) é o facto de, em cada episódio, misturarem a história de 3 ou mais casais, tornando o programa um pouco mais confuso. Às tantas tenho um bocado mais de dificuldade em me lembrar quem é quem, e acharia muito mais simples se em cada episódio fosse apenas a história de um casal até ao fim...

    E vocês, o que acharam do programa?

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

O confronto com a realidade

universidade.jpg

    Hoje é daqueles dias de desabafo, e vocês foram os escolhidos (sortudos...). Ultimamente tenho-me sentido muito assustada, e ansiosa - e sim, nós psicólogos também padecemos destes males. A tese atrasou-se mais do que deveria, por isso passei o Verão a trabalhar nela, mas agora parece que estou a cair na realidade...

    A defesa da tese já está aí à porta, atrás dela está a empresa a que me comprometi fazer o meu estágio profissional, para finalmente ser considerada psicóloga... Devia estar felicíssima, mas a verdade é que estou cheia de medo. Sinto que tenho tudo fora do meu controle, estou super insegura.

    Em primeiro lugar, odeio apresentações orais de morte, e só de pensar na minha defesa tenho arrepios até à espinha. Mas depois, é o que vem a seguir dela também! A entrada no trabalho, desta vez a sério! E, diga-se de passagem, um trabalho numa empresa que não foi das minhas preferidas de trabalhar... Mas lá vai ter que ser. Hoje em dia encontrar estágios profissionais de psicologia está pela hora da morte, e sem ele não posso ser psicóloga (profissão que tanto amo), por isso não tenho outra opção.

    No entanto, não me sinto minimamente preparada. Vou, finalmente, sair da faculdade. Mas ao mesmo tempo, vou iniciar o meu caminho numa empresa, que no passado me causou tanto stress e preocupação... E estou definitivamente assustada.

    Digam-me que não sou a única assustada nesta fase, por favor...

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

Os super-bloggers!

 

    Sei que tenho andado um pouco ausente, mas entre viagens cá e lá, o tempo para estar à frente de um computador tem sido muito reduzido (olhem para mim, a vida de uma pessoa que está de férias é tão complicada... )

    No entanto, ontem à noite estava a pensar precisamente no blog e veio-me uma coisa à cabeça: "Oh meu deus! Eu sou como o Super-homem, eu tenho duas personalidades: A minha, e... a Carta!"

    Pensem comigo, os bloggers anónimos, - e agora refiro-me aos anónimos especificamente, - são todos uma espécie de agentes inflitrados na sociedade. De manhã fazem a sua vidinha, saiem com os seus amigos e namorado/a, passeiam o cão ou o gato... uma vida igual a tantas outras. Porém, à noite, ligam o computador, metem os seus disfarces e as suas capas, e tornam-se bloggers anónimos na internet! Prontos a salvar o mundo com as suas críticas opiniões, e pertinentes dicas. E nunca ninguém sabe a sua verdadeira identidade... não é um máximo?

    Podem já se ter cruzado comigo no supermercado um dia, ou podem ainda ser um colega meu de trabalho! Nunca irão saber pois estou "disfarçada".

    Claro que eu ao pensar nisto, veio-me à cabeça outro tipo de questões como: "Epa, se eu sou como um Clark Kent da vida real, qual é o meu poder de super-herói?" Provavelmente não tenho super velocidade (para escrever) como o Super-homem da DC, e tão pouco tenho visão raios-X (e consigo ver para além dos blogs). Mas talvez possa dizer que o meu super-poder seja... distrair (e possivelmente divertir) quem me lê, e educar um bocadinho acerca do que é a psicologia (e "desmistificar" o bicho-papão da doença mental). O que acham? Concordam?

    Para todos os bloggers - anónimos ou não -, qual acham ser o vosso super poder, enquanto blogger? Estou curiosa para saber o que pensam... 

 

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

#5 DomingodeConsultório: Dicas para melhorar a auto-estima

autoestima.png

    Boa tarde a todos! Como estão? Hoje temos a tótó mais acarinhada pela blogosfera no divã do nosso Consultório! 

 

    Ela diz: "Detesto comprar roupa. Não consigo escolher nada, acho que tudo me fica mal e pior do que tudo é que sou uma pessoa com um corpo elegante e sim, sou gira, por isso até se podia dizer que qualquer coisa fica bem mas não. Também isto é um problema de auto-estima e auto-confiança, ou melhor, falta destas duas coisas. Que dicas me dás para melhorar estes dois aspectos e passar a ser uma mulher super confiante?"

 

    Em primeiro lugar, minha querida, deixa-me dizer-te que o caminho para a auto-confiança não é nada fácil, e é bom ter noção disso. Não é de um momento para o outro que viramos super-homens ou super-mulheres, tornamo-nos imbativeis, e nada nos pára (infelizmente...). Eu gosto de acreditar que é um percurso que se faz sistematicamente, todos os dias. A partir do momento que tomamos consciência disso, há várias coisas que podemos fazer diariamente:

1- Identificar a/as fonte/s da nossa baixa auto-estima: É algo que já vem de trás, desde que somos pequeninos?; nasceu connosco?; se não, quando é que surgiu?; como nos vêem os nossos familiares/amigos/parceiro amoroso/colegas de trabalho?...

2- Proceder às mudanças necessárias na nossa vida: É necessário reestruturar o nosso ciclo de amizades (e acabar com amizades tóxicas)?, é preciso aprender a comunicar de forma mais assertiva (para não nos deixarmos afetar pelas criticas dos outros)?...

3- Treinar a nossa assertividade. Explico-te o conceito de comunicação assertiva aqui, mas basicamente o objetivo é, cada vez que sentirmos que a nossa auto-estima está a ser magoada por alguém, evitarmos a situação (quando possível), e defendermo-nos de forma correta às acusações da pessoa, para a nossa auto-estima não ser 'beliscada'. Por exemplo, quando um pai mais autoritário for ofensivo, dizer algo do tipo: "Compreendo o que me estás a dizer, mas neste momento estou a sentir-te exaltado, e estou-me a sentir magoado/a com as tuas palavras, por isso vou-me retirar para podermos falar quando estivermos os dois mais calmos. Espero que compreendas." A ideia aqui é protegermo-nos, e não nos deixar que nos afetem em situação alguma. Se quiserem, posso fazer um post com mais exemplos de frases assertivas que se deve ter.

4- Enumerar as nossas qualidades e conquistas. Escrevê-las num papel, passar a computador e colocá-las no nosso quarto, perto de nós, para que possamos relembrarmo-nos delas facilmente, é uma possível dica. Afirmarmos diariamente as nossas qualidades para nós mesmos, é outra. O objetivo aqui é substituir pensamentos ofensivos como "és preguiçoso/a", "és feio/a" por pensamentos saudáveis, e verdadeiros.

5- Evitar comparações com os outros, e críticas (a nós, e ao mundo). Assim que nos dermos conta da nossa 'voz interior' a criticarmo-nos, tomar consciência e parar o pensamento. E questioná-lo: é completamente válido?, que evidências tenho para pensar assim?, e que evidências tenho para pensar que é falso?, é útil para mim pensar isto de mim?, e reavaliá-lo para ver se é 100% correto. Na grande parte das vezes um pensamento é apenas isso, um pensamento (errado). Não passa disso, e não chega a facto.

 

    O que acharam do Consultório de hoje? Para terem aqui a vossa questão respondida para a semana só têm que: comentar este post com a vossa questão (em anónimo se não se quiserem expôr, ou com o vosso blog), comentar o post do meu instagram que irá sair sobre o Domingo de Consultório Aberto, OU mandar um e-mail para umacartaforadobaralho@hotmail.com (onde podem, mais uma vez, identificar-se ou não, conforme queiram ou não manter o anonimato). 

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.