Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

umacartaforadobaralho

"o segredo é teres sempre uma carta na manga"

umacartaforadobaralho

"o segredo é teres sempre uma carta na manga"

O fim do Natal...

 

    Apesar do meu último post falar das pessoas que não gostam do Natal, a verdade é que também há gente que gosta, tal como eu! 

    Para mim, lidar com o fim do Natal é como ultrapassar uma ressaca (apesar de eu não ter por hábito beber...).  A gente cria aquela expetativa enorme da grande noite, a grande noite acontece - cheia de festa e boa disposição... - e depois, de um momento para outro vamos ver, e acordamos no dia seguinte sem nos lembrarmos como é que a noite de ontem passou tão rápido! Isso tem-me acontecido nos últimos dias. Parece que foi tudo um sonho por ter passado tão depressa!

    E por isso, o que me tem consolado nos últimos dias é:

  • Saber que a passagem de ano está aí à porta e por isso os dias de festa ainda não chegaram ao fim! 
  • Estar entusiasmada a escrever as minhas resoluções para o próximo ano...
  • Saber que a época dos doces também ainda não acabou, e ainda vou fazer (e comer) muitos bolinhos pela passagem do ano  (gulosa, much?!)
  • ...E também lembrar-me que OS SALDOS ESTÃO AÍ À PORTA!!!! (and I'm a cheap ass! Mas também, quem é que não adora saldos?)

    E vocês como passaram o vosso Natal? Estou curiosa para saber se também sentem que passou a voar, como eu...

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

#21DomingodeConsultório: Não gosto do Natal

Natal.png

 

    Não, as pessoas que não gostam do Natal não sofrem de uma perturbação psicológica.  Contudo, resolvi abordar este tema por aqui visto ter lido alguns bloggers a dizerem que não gostam particularmente da época natalícia, e por isso achei que seria um óptimo tema para explorar no meu Consultório.

    O Natal traz consigo uma pressão (escondida) muito grande, que muitos de nós não conseguimos dar conta. Não me refiro apenas à pressão de comprar presentes para os amigos e familiares, - no qual a "solidariedadezinha" pode ser vista como obrigação para alguns; mas também à "pressão" da família unida, do amor entre todos, de uma noite bem acompanhada, - o que, como sabemos, nem sempre é possível. E quando a pressão se torna demasiado grande, faz-nos elevar as nossas próprias expetativas. E por sua vez, quando temos altas expetativas para o dia de Natal e ele acaba por não corresponder ao que tínhamos idealizado, ficamos tristes, e até, muitas vezes, deprimidos.

    Para além disto, há ainda a questão da religião, pois nem toda a gente comemora o Natal. Vou vos contar o caso da minha mãe. A minha mãe é professora primária, e todos os anos faz a árvore de Natal na turma dela, e dá aos miúdos a oportunidade de enfeitarem a árvore à sua vontade. Este ano teve, na turma, um rapaz cuja família não era católica e por isso não comemorava o Natal, então o rapaz não tinha autorização para decorar a árvore. O miúdo chorou o resto da aula porque sentiu-se de parte em relação aos outros. Este é apenas um exemplo das "pressões" que, inconscientemente, a época natalícia traz à tona.

    Como podemos ver, há várias razões para as pessoas poderem não gostar do Natal, mas sejam elas quais forem, deixo-vos aqui as minhas dicas caso sejam uma dessas pessoas:

 

  1. Aceitem aquilo que sentem. Ninguém é obrigado a gostar de tudo, bem como não somos obrigados a sentirmo-nos bem a toda a hora. Somos seres humanos, temos gostos e sentimentos diferentes, e cada um de nós é único. Não tem importância se não gostamos do Natal, desde que consigamos perceber o que é que não gostamos nele.
  2. Falem com quem realmente amam sobre o que sentem no Natal, e sugiram alternativas diferentes para passar este dia. Não deixem de comunicar sobre aquilo que não gostam. Podemos não gostar do Natal por aquilo que ele representa, mas se analisarmos com clareza, o Natal é apenas mais um dia do ano. Experimentem sugerir novas formas de passá-lo com os vossos amigos, familiares, pais, irmãos... para que a experiência se torne o mais agradável possível.
  3. Não sobrevalorizem este dia. Como já disse acima, a própria época natalícia já pode ser suficientemente desgastante por si, e por isso não vale a pena colocar-mos mais pressão em cima dela. Seja por nos relembrar de um acontecimento menos positivo da nossa vida, por nos sentirmos mais sozinhos, ou mais "sem dinheiro" para todo o consumismo que esta época implica, o Natal é um dia como todos os outros. E tão depressa vem, como vai. Por isso, façam algo fora da rotina, inovem e tentem aproveitá-lo da melhor maneira que conseguirem. 

Umas óptimas festas para todos! 

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

Qual o doce de Natal mais tradicional em Portugal?

    Ontem, dei de caras com esta imagem que dava conta dos doces de Natal mais tradicionais de cada país europeu.

 

 

    E em Portugal, segundo este estudo, a Aletria é o doce de Natal mais tradicional. E a minha reação foi do tipo...

 

 

    ...Não se podiam lembrar de algo melhor? Então e as farofias? E os nossos amigos bolos-rei? 

    E em relação aos outros países? Quer dizer, estão-me a querer dizer que os espanhóis contentam-se com uns simples smarties, e os noruegueses preferem um donut do Lidl... Por amor de Deus...

    Este estudo pareceu-me muito duvidoso... O que acharam? 

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

Prendas de Natal para a nossa saúde mental

    Para além da importância de ter o apoio da família, amigos, muito amor e todas essas coisas genéricas e não menos importantes, achei por bem hoje vir-vos falar de outro tipo de prendas, desta vez materiais, que são saudáveis para todos nós e excelentes presentes de Natal. Espero que gostem! 

 

"A Arte Subtil de Saber Dizer Que Se F*da", de Mark Manson

268392018.jpg

    Mark Manson é um blogger, e escritor de auto-ajuda. E apesar deste livro não nos dar um palavreado técnico de estratégias para lidar com a nossa saúde mental, dá-nos antes formas de encarar a realidade, ajudando-nos a reconhecer as nossas falhas e limites, para depois conseguirmos ultrapassá-las. Descrevo este livro como uma "lufada de ar fresco" que todos nós precisamos de sentir de vez em quando, para nos relembrarmos do que realmente importa, e do que nos faz feliz. Está à venda em qualquer livraria.

 

Bath Bombs, da Lush

    Os banhos de espuma também são uma excelente forma de relaxar, e afastar as nossas preocupações do dia-a-dia (quantas vezes chegámos a casa, depois de um dia esgotante, tomámos um banho e sentimo-nos logo revigorados? ). Por isso mesmo, oferecer bombas de banho são sempre óptimas opções para qualquer um, mas especialmente para as mulheres, que são fãs delas. À venda na Lush!

 

"Diário de Gratidão" , de Autora Mistério

diario.png

    Infelizmente não sou eu a autora, mas bem que gostaria de ser!  Encontrei este Diário de Gratidão a navegar pela internet, e apaixonei-me. A investigação diz que ter um Diário de Gratidão melhora não só os nossos níveis de felicidade, como a nossa saúde psicológica e bem-estar. Estre "livro" dá espaço ao leitor de completar alguns desafios para melhorar o seu bem-estar consigo mesmo, como "O que sou e o que quero ser", "O que sou e não quero ser", "O que preciso para ser feliz", etc. Está à venda na Bertrand, Fnac e Wook.

 

Velas aromáticas

vela.png

    Está comprovado que estarmos rodeados de bons cheiros tem um efeito positivo no nosso estado de espírito. Por isso mesmo recomendo-vos oferecer velas aromáticas neste Natal, a todos aqueles que valorizam o seu espaço bem perfumado, e visualmente agradável. Estas velas estão à venda na Mr Wonderful, contudo também podem encontrar boas velas aromáticas na Zara Home, Ikea, Decathlon...

 

Bolsa de água quente

Bolsa agua quente.png

    Muitas vezes o nosso stress do dia-a-dia começa a afetar também o nosso corpo. E quando a exaustão psicológica chega ao nosso físico há que tomar bem conta dele. E daí lembrei-me das bolsas de água quente, tão úteis para agora, especialmente neste inverno tão frio... À venda na Ale-hop e Primark.

 

"Mindfulness - O Livro de Colorir", de Emma Farrarons

    Os livros de colorir já não são apenas para crianças. São vários os psicólogos e especialistas em saúde mental que recomendam as pessoas a utilizarem livros de colorir, a fim de dar asas à sua imaginação, e ocupar-lhes a mente. O acto de pintar não só é relaxante e terapêutico em si, como nos obriga a focar no presente, e deixar de lado os pensamentos do passado e do futuro (que nos causam muitas vezes ansiedade e depressão. Este está à venda na Fnac e Bertrand, mas podem encontrar vários livros do mesmo gênero, para adultos.

 

Caneca e Infusor de chá

chá.png

    E por último, há algo mais relaxante do que beber chá? O chá tem propriedades que nos trazem tranquilidade e bem-estar. Por isso, deixo-vos aqui uma sugestão para os amantes de chá: uma caneca com frases positivas, e/ou um infusor de chá. Neste caso a caneca da foto foi retirada do site Etsy, e o infusor em forma de dinossauro da Amazon (digam lá que não é adorável?!).

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

As minhas tradições de Natal

 

painatal.png

Pai Natal Solidário

Quem me segue desde o ano passado sabe que, no Natal, nunca dispenso de participar nesta iniciativa. Se querem apadrinhar uma criança necessitada, e dar-lhe um Natal mais especial, basta clicarem aqui ;

 

amigosecreto.png

Amigo Secreto

Desde há uns valentes anos que eu e a minha família fazemos o jogo do amigo secreto. No início de Dezembro tiramos à sorte bilhetinhos com o nome uma pessoa cá de casa, e até ao dia do Natal mantemos todo aquele suspense... E depois arranjamos formas originais de revelarmos quem é o nosso amigo secreto! Alguém por aí também tem esta tradição? ;

 

meianoite.png

Esperar pela meia-noite para abrir presentes

Se há algo que nunca prescindimos, é de esperar sempre pela meia-noite para abrir as prendas. Abrir antes disso não "soa" a Natal... Quem concorda comigo? ;

 

Doces natalícios

Todos os anos fazemos doces diferentes, é verdade, mas envolvem sempre chocolate (gulosos...). Um ano foi o tronco de Natal, no outro foram muffins em forma de árvore, bombons... ;

 

"Espectáculos"/Jogos natalícios

Chamem-me tradicionalista, mas desde de pequena que costumava fazer 'performances' natalícias com a minha família, na noite de Natal, e atualmente ainda guardo alguma desse genica para a consoada. Seja a noite passada com karaoke, jogos tradicionais, danças... o que interssa é festejar o Natal em grande! Afinal não é todos os dias que é Natal, certo? 

 

E vocês, que tradições natalícias mantêm?

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

Como sobreviver ao rescaldo do Natal

    Eu não sei em relação a vocês, mas para mim o Natal além de ser uma das minhas épocas favoritas do ano, é também uma das mais felizes. Por isso, no que toca a arrumar os enfeites natalícios e pensar em desmontar a árvore causa-me imensos arrepios, porque me faz imensa confusão pensar que tudo já acabou tão depressa 

    Então, pensei que podiam haver pessoas com o mesmo sintoma fóbico do "fim do Natal" (uma patologia agora mesmo inventada por uma quase-psicóloga como eu), e pensei em como poderia ajudá-las. Por isso, reuni aqui as minhas 5 dicas de sobrevivência, na esperança que sejam úteis também para vós. Enjoy!

 

1º Fazer o luto do Natal: Chorar, chorar, e desesperar. É o momento de exprimir toda a tristeza que se sente em relação ao fim do Natal. Como dizia o outro, "DEITA TUDO CÁ PARA FORA!". É a tua altura de fazeres o luto do Natal, pois só assim poderemos passar para a fase seguinte.

 

2º Empaturrarmo-nos em doces de Natal: Sobraram rabanadas, filhós, restos de bolo rei da consoada? Excelente oportunidade para nos afiambrar-mos aos doces! Queres melhor forma de ultrapassar um mau momento do que a comer (ainda por cima comida tão boa como esta?)? (Opcional: enquanto se chora)

3º Aproveitar os próximos dias para pôr as nossas compras/trocas do Natal, em dia: Faltou-vos um último brinquedo para o primo, ou uns chocolates para a avó que vão ver este fim-de-semana? Aproveitem agora para fazer as últimas compras natalícias, e aproveitarem ao máximo a loucura do espírito natalício. É também uma boa altura para fazerem as vossas trocas (de prendas que receberam).

 

 4º Planear a Passagem de Ano: Onde, como, e com quem são coisas importantes para termos em conta nesta altura. Pelo menos enquanto estamos a pensar no fim-de-ano, não estamos a deprimir sobre como vamos tirar os enfeites de Natal da nossa sala de jantar... E é sempre uma excelente oportunidade para convivermos com pessoas que não vêmos há imenso tempo, passarmos bons momentos, e darmos umas voltinhas fora de casa. O que me dizem?

 

5º Preparar as Resoluções para 2018: Ajuda sempre, nem que não seja para nos mentalizamos que seremos melhores pessoas para o ano 

    É assim que eu ultrapasso, com menor dificuldade, o fim do Natal. Acima de tudo a aproveitar muito bem o resto das férias, e a tirar partido das prendas que me deram este ano (vouchers, experiências, etc..). Porque acima de tudo lembrem-se: o ano passa a correr (pelo menos é o que oiço toda a gente a dizer), e daqui a mais cedo do que se espera voltaremos à epoca natalícia, vão ver! Tenham umas Excelentes Entradas! 

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

A minha noite de Natal diferente...

natal carta.png

 (o Instagram viu estas fotos primeiro!)

    Este ano (tal como nos últimos) o meu Natal não foi passado com a família completa - desde os primos aos bisavós- , mas apenas com os 4 habituais lá da casa (mãe, pai e irmã). Em primeiro lugar porque já não tenho bisavós, e em segundo, por motivos pessoais que não vale a pena falar aqui.

    Como não nos reunimos com os restantes familiares, desde há tempos para cá que passamos o Natal fora. Arranjamos esta estratégia talvez até como "mecanismo de defesa" (um dia explico-vos o que isto é) ao facto de passarmos só os 4.

    E tem sido óptimo, até agora.Conhecemos novos sítios, saímos de casa, e arranjamos uma oportunidade para estarmos todos juntos e nos divertirmos. Este ano fomos até Armação de Pêra e arranjámos uma óptima promoção num hotel 4*, que mais parecia um resort paradisíaco: super quentinho (as pessoas andavam de manga curta no hotel!), lindíssimo de morrer, e com piscina exterior, interior e spa (o qual aproveitamos sempre que possível)...

    E como é que passei a minha noite de Natal, perguntam vocês? (se se derem ao trabalho de querer saber, como é óbvio...) Passei com muitos doces, e jogos à mistura.  Fiz brownies em forma de árvore de Natal e bonecos de neve pr'a malta, e trouxemos Milka e Ferrero Rocher (sim, somos uns gulosos..). E depois jogamos Snooker, Bowling e ao Amigo Secreto, onde cada um teve que adivinhar qual era a sua prenda secreta.

    Jantámos no restaurante do hotel o tradicional bacalhau da consoada, assistimos a um concerto de Natal, e à meia noite abrimos finalmente as prendas! Decorámos os nossos quartos a rigor: com árvore, decorações, balões... E foi assim que trouxemos o Natal até nós, e ao nosso quarto de hotel.

    Sei que é um Natal muito diferente do que a maioria das pessoas passa, mas eu encaro-o antes como um Natal mais original. A desvantagem? Não há a convivência com a família mais alargada, não há o ambiente da nossa casinha, nem os doces caseiros. Mas sabem que mais? Há o amor e convivência com as pessoas que eu mais amo na vida, há experiências únicas, há memórias a recordar no futuro... E para além disso, como não trazemos todas as prendas na nossa viagem, temos ainda a vantagem de chegar a casa e abrir ainda mais prendas, as que restam...Por isso não tenho nada com que me queixar 

    O que acharam deste Natal diferente? Como foi o vosso? JÁ AGORA, o que acharam da estreia da Carta no Blogmas? Espero que se tenham divertido tanto como eu me diverti! Os próximos posts voltaram aos tópicos normais (para bem ou mal dos vossos pecados...)!

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

Dicas para lidar com a família no Natal

 (P.S.: Eu adoro a minha família. Estar com a nossa família é óptimo, e eu não me imagino sem a minha. No entanto, penso que toda a gente tem familiares com que têm maior dificuldade a lidar, por algum motivo. Por isso o "lidar com a família" aqui digo lidar com aqueles tios que nunca mais se calam, os primos insuportáveis que têm mania que são bons, ou as avós mais curiosas...)

 

    Em geral estar com a família é óptimo! Eles são os nossos melhores amigos e conselheiros, e estão lá para o que der e vier... O pior é quando se convive com aquela família mais afastada, e com aqueles familiares que por algum motivo em especial não morremos propriamente de amores, mas que somos obrigados a conviver uma vez por ano.

    E é por isso que aqui estamos hoje. Nesta quadra natalícia, pensei em vos dar algumas dicas para sobreviver aos membros familiares mais chatinhos, para tentarem aproveitar ao máximo o vosso Natal! 

     Aconselho-vos, por isso, a:

 

Manter o sentido de humor: Não há nada melhor do que levar na 'brinca' aquelas bocas mais desagradáveis. Não só lhes demonstra a vossa inteligência emocional pr'a coisa, como cria um ambiente muito mais saudável e menos tenso. Em vez de ficarem ofendidos ou a querer dar uma resposta torta àquela pessoa com a mania que é esperta, levem para a brincadeira, e com boa disposição... - e pensem também que, muito provavelmente, só daqui a 365 dias é que os vão ter que ver de novo...

 

Não guardar ressentimento: Apesar de tudo família é família, e a não ser que vos tenham feito uma ameaça direta de morte ou algo  problemático, não devem guardar ressentimento de ninguém por ter tido uma conversa menos bonita convosco. Lembrem-se que ninguém é perfeito, e que não vale a pena afogarem-se em pensamentos negativos nesta alturas... Principalmente quando se podem afogar numa boa rabanada!

 

Evitar assuntos polémicos ao jantar, como a política, religião...: Esta acho que é muito importante. Todas as famílias têm as suas ideologias, as suas crenças, as suas posições políticas. E todas elas (por mais ridículas que possam parecer às vezes) devem ser respeitadas. E não vale a pena entrar numa discussão e acreditar que a pessoa vai mudar a sua forma de pensar, ESPECIALMENTE num jantar de Natal, porque não vai. Por isso nada de falar de assuntos em que vários membros da família divergem, porque isso pode dar mau resultado...Depois não digam que eu não avisei!

 

Planear atividades fora de casa, jogos, filmes para verem...: Os míudos estão a ser mais irritantes do que é normal? Ponham-lhes a dar uma volta no parque, com os pais! Os mais velhos não páram de comentar a nossa aparência, personalidade e vida afetiva? Ponham-lhes a ver um filme natalício, a fazer um jogo, qualquer coisa! Ao longo do blogmas, fui dando-vos algumas sugestões de bons filmes e jogos, caso vos falte imaginação...

 

Se há algum familiar que tens realmente uma grande dificuldade em o suportar, evita-o, e pratica uma postura de neutralidade: Não vale a pena fazer frente àquele familiar que não suportas, simplesmento ignora-o. Não dês importância aos seus comentários e opiniões se isso te provoca mau-estar, e finge apenas que é como uma mosquinha que está ali a passar, que não merece ser valorizada.

 

E por último, mas não menos importante: Rodeia-te, ao máximo possível, de pessoas com que te identifiques: Sempre que possível fica perto de pessoas que te dês bem, pessoas positivas que te ajudem a passar mais facilmente a quadra natalícia. Divertes-te mais, e tiras mais partido de todas as coisas boas que o Natal tem para oferecer! 

 

Em geral, tentem aproveitar ao máximo todos os bons momentos enquanto estão juntos, porque afinal... são família! Um santo (e sossegado) Natal para todos  

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

As minhas recordações do Natal...(pessoal)

IMG_20171221_143923_100.jpg

 (sim esta minimeu sou eu!)

 

    Num dia em que me sinto tão nostálgica como este, achei que seria engraçado se vos falasse um pouquinho mais sobre a minha vida pessoal, mais concretamente sobre as minhas recordações (de back in the days) de Natal.

    Quando me falam em Natal, a primeira (e talvez a mais velha) recordação que me vem à cabeça é da família toda reunida, desde os meus 8 anos talvez, quando tínhamos cá em casa os meus padrinhos, primos, e avôs. Isto era uma festa, era só casa cheia! Os meus padrinhos e primos são de longe daqui, por isso cada vez que eles vinham cá era quase um acontecimento histório, digno de ser lembrado. E os meus avôs já eram da casa, pois sempre tive uma grande ligação com eles (e hoje sinto-me muito orgulhosa de puder dizer isso). Sinto imenso a sua falta nesta altura.

    Lembro-me especificamente de uma memória que tenho do meu avô materno a dançar a música "Hit the Road, Jack" num daqueles teclados de piano para crianças Essa é a recordação que me lembro de imediato quando me recordo dos Natais com os meus avôs. Era ele a dançar, todo animado como sempre, e aquela música dava-lhe vida, emanava felicidade por todo o lado. Em certas alturas parecia uma criança com o seu brinquedo preferido. Provavelmente foi esse um dos principais motivos que levou a minha mãe a querer que eu e a minha irmã frequentassemos as aulas de piano, em pequenas.

    Para além disso lembro-me também da parte mais gulosa da época natalícia: os doces. A minha mãe e a minha avó metiam-se na cozinha horas a fio e faziam: mousse de chocolate, salame, baba de camelo, todo o tipo de bolos possíveis e imaginários, não pudia faltar comida para ninguém! E nunca faltava, de facto sobrava! E eu agradecia, porque na manhã seguinte, lá ia eu 'assaltar' a mesa ainda montada com os doces, fazendo daquilo o meu pequeno-almoço, lanche, e ceia.

     Os nossos Natais, em pequena, eram também conhecidos pelos nossos espectáculos musicais e teatrais (desde cedo sempre tive jeito pr'a coisa). Juntamente com a minha irmã e primos, nós orquestravamos números músicais de Natal onde cantávamos, tocávamos, e dançávamos imensa coisa, e acima de tudo fazíamos rir imensa gente pois nós não passávamos de amostras de gente, éramos ainda umas criancinhas, e não fazíamos a mínima ideia do que estávamos para ali a fazer. Para além disso, gostávamos de nos armar em atores e encenávamos as mais variadas peças, que é como quem diz a mesma peça de sempre ("A chegada do Pai Natal"), mas com alguns twists lá pelo meio. Era muito giro - e "original".... 

    Por último, não me pudia esquecer da aguardada espera pela meia-noite (e pelo Pai Natal), com a minha família. Lá íamos nós os 4 pequenotes para a cozinha, onde havia um relógio gigante, à espera das 12 badaladas para pudermos ir abrir os presentes. Porque naquela altura era só mesmo há meia-noite! Hoje em dia o pessoal cá de casa já está cansado, já não tem a genica de antigamente, e se quiser abrir às 9h, abre-se às 9h, mas no meu tempo não era nada disso! Era só quando acabava o Natal nos Hospitais!

    E pronto... por hoje foi isto que me lembrei. Atualmente, e apesar de ver agora estas memórias como umas mais alegres que outras, o Natal é apenas...diferente. Só isso. Não é melhor nem pior, é diferente. Hoje em dia é mais calminho, menos miudos, menos confusão. No entanto, a diversão continua, e por isso sou tão fã de jogos, filmes, e músicas no Natal, porque acho que acima de tudo esta É uma época alegre que, com mais ou menos gente, é comemorada acima de tudo pelo amor e união de todos. E mal posso esperar pelos futuros Natais para haver mais miudos há mistura (mas não digam já ao gajinho, senão ele assusta-se!), mwahaha...

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

Melhores prendas de Natal que já recebi

    Apesar do Natal ser a época de dar e receber, eu admito que me lembro mais facilmente daquilo que recebi, do que aquilo que dei.  Em primeiro lugar porque já dei IMENSA coisa a imensa gente, e em segundo porque como é óbvio o ser humano é um ser egocêntrico no geral, não é verdade? (Ou então só no meu caso em particular...)

    Por isso, e sem mais demoras, aqui vão as melhores prendas de Natal que já recebi - não em toda a minha vida (porque a minha memória já não é o que era...), mas nos últimos anos. Sem nenhuma ordem específica.

  • Telemóvel: Acho que não sou a única que recebeu, em muitos Natais, telemóveis novos (que estiveram sempre a pedinchar durante o ano todo *cof* *cof*). Pelo menos eu estive... Obrigada, queridos paizinhos  
  • Piano acústico: Tenho o meu piano acústico desde os meus 12 anos, e foi a minha melhor prenda de sempre! Tive aulas desde muito cedo, e andei lá uns 3 anos. Adorei toda a experiência, a minha professora de música (que ao contrário de muitos professores de piano, tinha imensa paciência) e as suas aulas, as Audições em que eu tinha de atuar para carradas de gente, de TUDO! Apesar de atualmente não tocar tanto como antigamente, tenho imenso carinho por aquele piano acústico lindíssimo, que está lá na sala. 
  • Instax Mini: Recebi uma Instax Mini o Natal passado, e não a larguei desde então. Cada vez que vou a um evento que quero recordar, estou com o meu grupo de amigos, ou vou a alguma festa levo-a sempre comigo! Apesar de ser um investimento um pouco carote como já referi antes, para mim vale todo o esforço. Para além disso, fica super cute ver as fotos espalhadas pelo meu quarto... 
  • Bilhetes de viagem para o estrangeiro: Foi tradição dos meus pais oferecem-me durante alguns anos bilhetes para uma convenção de The Vampire Diaries, série que eu era VICIADA. Esta sortuda que aqui vêem ganhou, vários anos seguidos, viagens surpresa a uma cidade europeia que estivesse a realizar uma convenção com os atores, naquele ano. À pala deles fomos a Inglaterra, Espanha, França, Bélgica... Era a loucura! E eu ainda hoje tenho dificuldade a aceitar a sorte que tive, de tanto mimo que recebi, e recebo. 
  • Jogos de tabuleiro: Já são várias as vezes em que recebo jogos como prenda de Natal: O Catan, Munchkin, Monopoly Deal, entre outros... Umas vezes é o gajinho que oferece, outras vezes é a minha irmã. O que é mais engraçado é que os jogos são sempre surpresa, pois eu nunca os conheço, mas são sempre todos muito giros!  

 Agora é a vossa vez! Que prendas de Natal guardam maior recordação dentro de vocês? 

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.