Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

umacartaforadobaralho

"o segredo é teres sempre uma carta na manga"

Como lidar com as emoções negativas durante um período de isolamento?

IMG_20200318_174805_692.jpg

(foto da minha autoria)

 

Olá a todos! Espero-vos bem, em casa e de boa saúde 

Como devem imaginar, nos tempos que correm é difícil falarmos de outra coisa senão da pandemia do Covid-19, e de como esta tem impactado a nossa vida. As pessoas são aconselhadas a ficar em casa, sair à rua apenas em casos de extrema necessidade, cada vez mais empregos têm aderido ao regime teletrabalho, sendo que inclusivamente hoje foi decretado estado de emergência.

Todas estas mudanças num intervalo de tempo tão curto trazem, sem dúvida, muitas consequências, nomeadamente a nível psicológico. O ser humano é naturalmente um ser de hábitos e rotinas: habitua-se a levantar cedo de manhã, a ir trabalhar, a almoçar fora, a ir buscar os filhos à escola... E quando surgem mudanças repentinas nessa rotina, nós estranhamos.

"Algo não está certo" - pensamos - "Algo está fora do normal, ou seja, daquilo a que eu estou naturalmente habituado/a; e logo isto não pode ser bom sinal" e começamos a entrar numa corrente de pensamentos tal, que a preocupação dá lugar à ansiedade, que por sua vez, quando extrema, dá lugar ao pânico.

E tudo isto porquê? Porque estamos habituados a que as coisas corram exatamente como queremos/idealizamos (habituados à aparente "ordem natural das coisas"), e quando isto não acontece, é o caos. Como se fosse possível termos o futuro da nossa vida nas nossas mãos, como se fossemos alguma vez capazes de controlar o nosso destino...

Não somos, e não há mal nenhum nisso. Quando viémos para este mundo não assinámos nenhum contrato em como teríamos uma vida perfeita, longe de problemas e preocupações... Por isso, devemos reconhecer que essa é a lei natural das coisas. Porque um dos nossos desafios, enquanto seres vivos, é mesmo esse: A maior certeza que temos na nossa vida é exatamente a ausência de certezas.

 

Outra questão tem a ver com a obrigatoriedade de estar em casa. Muitos de vós provavelmente até passam fins-de-semana inteiros em casa, outros até podem andar, ultimamente, cansados das viagens casa-trabalho e trabalho-casa, e até já falavam em tirar uns diazinhos para ficar em casa a descansar... Mas só o facto de pensarmos que agora estamos a ser obrigados a fazer algo do qual não temos escolha, sentimos a nossa liberdade em causa, como reféns no nosso próprio lar.

Ao invés disso, podemos olhar para a quarentena como um período temporário, o que implica que as medidas implementadas pelo governo são passageiras; como uma forma de nos protegermos (e pensarmos que estamos em casa por um motivo válido, que tem a ver com proteger a nossa saúde e a dos outros), e aproveitarmos este tempo para reflectirmos, crescermos e até desenvolver novos hábitos e competências em nós (neste momento há muitos cursos online em funcionamento, há ebooks disponíveis, aplicações, jogos e vídeos lúdicos para passarmos o tempo, etc.). Caso queiram mais dicas de como podem passar o vosso tempo, podem ler este post.

Claro que devemos ter em conta que é normal por vezes sentirmo-nos mais tristes, preocupados ou sozinhos - porque toda esta é uma situação nova para nós -, e nessas alturas é importante não sermos duros connosco, aceitarmos aquilo que estamos a sentir, e falar com alguém. Estamos todos no mesmo barco, por isso bora ajudar quem mais precisa 

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

O coronavírus e o medo instalado

coronavirus-1.png

 

Já não há quem não tenha ouvido falar nele. As notícias sobre o coronavírus multiplicam-se, e a divulgação de informações acerca desta epidemia está longe de chegar ao fim. Mas que impacto é que o coronavírus tem, afinal, na nossa saúde mental?
Hoje, o bastonário da Ordem dos Psicólogos publicou um artigo acerca dos efeitos psicológicos que este surto epidémico pode ter na população, e eu não podia estar mais de acordo com ele.
 
Atualmente, temos acesso a uma quantidade de informação brutal acerca desta doença, pois as notícias sobre ela são diárias: nos noticiários não se fala de outra coisa, enchem as primeiras páginas dos jornais, até no trabalho fala-se da importância da prevenção, e discute-se o alastramento da doença. É um facto incontestável!
Mas até que ponto não estão os media -e nós próprios (?)- a contribuir para a desinformação? Temos plena noção de que excesso de informação nem sempre é sinónimo de informação fidedigna… Especialmente quando ainda estamos numa altura de descoberta, e de conhecer realmente do que é que se trata o coronavírus.
Simultaneamente, o excesso de informação vai contribuir para uma maior dificuldade em interpreta-la levando, por isso, ao aumento da ansiedade e do stress; e ao desenvolvimento de outra componente, em nós,… o medo.
Por sua vez, o medo vai-nos levar a tomar atitudes irracionais e desesperadas, sem nos fazer refletir sobre as suas consequências. No seu extremo, pode levar ao caos. E nalguns países já estamos a ver muitos exemplos disso: supermercados com as prateleiras de refeições enlatadas vazias, pois as pessoas tencionam isolar-se do mundo de forma a manterem-se afastadas do vírus; o stock de máscaras e desinfetantes esgotado, etc.
Na minha opinião, é perfeitamente normal de se sentir alguma tristeza, desconforto e preocupação quando estamos perante uma epidemia deste género (pois quando desconhecemos algo, estranhamos); no entanto, quando estes sentimentos tomam proporções maiores, correm o risco de levarem ao isolamento social, ataques de pânico e, até, ao desenvolvimento de uma patologia depressiva.
Por isso, em alturas de crise, como esta que estamos a viver agora, é muito importante que não nos isolemos. Falar com amigos, familiares, e pessoas em quem confiamos são algumas das técnicas que nos podem ajudar a lidar com os sentimentos mais negativos.Devemos também: mantermo-nos focados num hobbie/actividade que gostamos, praticar exercício físico e manter estilos de vida saudáveis.
Para além disso, ao invés de esgotarmos o stock de comida enlatada, vamos antes apostar em escolhas alimentares saudáveis para manter o nosso sistema imunitário forte (porque isto sim, ajuda a combater as doenças!), e ao invés de abusarmos no uso das máscaras (que já se mostraram ineficazes na prevenção), vamos antes apostar na correta, e frequente, lavagem das mãos (com sabonete ou desinfetante), e ao invés de pararmos de comer carne (com receio de que os animais possam estar infetados), vamos antes cozinhá-la conforme as indicações da OMS.
Resumidamente, é importante tomarmos as precauções necessárias sim, mas há que ter em conta que apesar de todos os alarmismos (no meu ponto de vista, por vezes excessivos), a taxa de mortalidade do coronavírus permanece relativamente baixa, sendo também influenciada por muitos outros fatores.
Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

É importante relembrar que...

  • Tal como o resto das pessoas, somos seres imperfeitos e cometemos erros - e eles fazem parte da vida;
  • Por vezes temos que saber dizer "não!" (e não há mal nenhum nisso);
  • É normal termos dias menos bons, e sentirmo-nos tristes;
  • É normal termos alturas em que precisamos de estar sozinhos;
  • Aquilo que sentimos é válido;
  • Não estamos sozinhos.

 

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

Acerca da saúde mental em Portugal...

 

    Bom anoooo! 

    Como sabem, e infelizmente, a saúde mental em Portugal é pouco ou nada valorizada, sendo que no serviço público são escassos os casos de acompanhamento psicológico, e no privado as consultas têm preços elevadíssimos, o que faz com que, para a maior parte das pessoas, a psicologia ainda seja um luxo!

    E é nesse sentido, com o objetivo de ver a importância e a forma como a saúde mental é encarada pelas pessoas, que estou a fazer um estudo científico sobre este tema... E por isso, preciso da vossa ajuda!

    Desenvolvi um questionário com apenas 6 questões (onde toda a informação recolhida será de carácter confidencial, e anónimo), e pedia a vossa colaboração para o preencher. Ao fazerem-no, estão a contribuir para o meu estudo, e a demonstrar a importância que a psicologia tem para nós, para que juntos possamos fazer a diferença e contribuir para que as consultas sejam acessíveis a TODOS! 

    Podem fazê-lo ao clicar aqui ❤

 

Obrigada!

 

 

 

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

A minha opinião sobre o bebé que foi encontrado no lixo

 

    Debati-me a fazer este post. E debati-me porque não só é um tema muito perturbador de se falar só por si, como há opiniões muito fortes acerca dele, o que origina sempre alguma polémica.
 
    Acho que todos nós concordamos numa coisa: Deitar um bebé ao lixo é um acto deplorável. Isso não há dúvida. 
 
    ...Mas será esse também um acto de desespero?, de loucura?, de instabilidade emocional?, de psicopatologia?
    Vamos ver as coisas pelo seu contexto: O que é que (e quem) está por detrás do acto de jogar um bebé ao lixo? Uma mulher cabo-verdiana, de 22 anos de idade, que habitava na rua. Não sabe quem é o pai da criança e, sem condições para se sustentar a si própria, vivia da prostituição. 
    Estamos aqui a falar numa pessoa em situação de pobreza extrema, possivelmente ela própria também abandonada, e sozinha. Mas eu gostaria de acrescentar um aspeto muito importante também: estamos a falar de uma pessoa doente. 
    Não é preciso ser-se mãe para saber que o dever de uma mãe é tomar conta dos seus filhos, cuidar, acarinhar... - e em circunstância alguma, abandoná-los. 
    Esta senhora, seja por sentimentos de desespero, culpa, vergonha, medo… tomou a decisão de abandonar o seu filho. A tomada de decisão tende a ser algo simples ou complexo, de acordo com a importância dada ao objetivo; mas que exige alguma ponderação, análise de alternativas e verificação da eficácia da decisão tomada. Quando isto não acontece, pode ser sinal de lesões no córtex pré-frontal (responsável por funções como a tomada de decisão), ou - o mais provável neste caso - doença do foro psiquiátrico. 
    Indivíduos com estas patologia tendem a ser impulsivos, agitados - por vezes agressivos -,  têm dificuldade em expressar aquilo que sentem e pensamentos e discurso destruturados/ desajustados. Nestes casos, surgem então os tais comportamentos de risco (como o consumo de álcool, drogas, atos de violência, etc.), que levam a cometer crimes hediondos deste género.
    Por isso, cuidemos deste bebé sim, para que viva num clima de bem-estar, saúde e segurança e tenha uma vida plena e feliz; mas cuidemos também desta mulher (digo mulher e não mãe!), para que faça um tratamento psicológico/psiquiátrico eficaz, tenha acesso aos cuidados de saúde básicos, e para que, acima de tudo, consiga viver uma vida mais feliz e evitar que erros desta gravidade se voltem a cometer.
Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

#36DomingodeConsultório: Como escolher o psicólogo mais adequado?

psicopato dormir.png

 
    Bom Domingo a todos! Parece que este dia tem durado, e durado, não é? Quem diria que ainda estamos no fim-de-semana... Se calhar ninguém, porque não estamos! 
    A verdade é que ontem não saiu Consultório, porque me foi impossível, então resolvi fazer hoje.
    E como convidada de hoje temos a nossa (doce) Sweet; que coloca a seguinte questão: 
 
"Podias fazer um post sobre encontrar o profissional certo para cada pessoa e como escolher o psicólogo que mais se adequa? É que eu acho que muitas pessoas ficam no primeiro psicólogo que lhes aparece, mesmo que não estejam a melhorar, porque têm medo de não encontrar melhor."
 
    Ora, não tanto posso, como aqui está ele! Essa é uma pergunta um pouco tricky, porque acredito que muitas vezes seja uma questão de nos identificarmos, ou não, com a personalidade do psicólogo (e haver o tal 'match', que vos falei em tempos).
    No entanto, existem vários tipos de profissionais de psicologia, cada um com a sua vertente clínica, que vão ditar a forma como o profissional atua, e faz as suas interpretações.
 
    São algumas dessas abordagens...
  • A cognitivo-comportamental (uma das mais frequentes): Nestas consultas, o psicólogo tem um papel mais activo, e pretende ensinar ao paciente formas mais adequadas de viver a sua vida; identificar e avaliar pensamentos da pessoa, e como estes podem interferir no seu comportamento. Por isso são mais intervenientes nas sessões, e dão técnicas específicas para utilizar no dia-a-dia. Mais utilizada em casos de: depressão, transtornos de ansiedade, de pânico, obsessivo-compulsivo, fobias, etc.
  • A sistémica: Os psicólogos que seguem esta vertente, estudam o indivíduo dentro dos seus relacionamentos (familiares, de casal, etc), e a sua forma de comunicar. E por isso a sua abordagem incide não só na pessoa que tem à sua frente, mas também nos seus contextos de vida. Frequentemente utilizada em terapia familiar.
  • A existencial: Nesta abordagem não se tem em conta os sintomas nem a doença do paciente, mas apenas a relação que existe entre este e o terapeuta - é a mais filosófica. Aqui, o objetivo da intervenção é levar a pessoa a procurar um significado para a sua existência.
  • A dinâmica: Segundo este tipo de intervenção, o nosso comportamento é determinado por processos mentais inconscientes, construídos durante a infância. São, por isso, psicólogos mais focados em explorar o passado da pessoa, menos intervenientes, e que dão por isso mais espaço à pessoa, para falar. Útil para tratar casos de depressões profundas, traumas de infância, etc.
  • Psicanálise: Seguem o mesmo tipo de abordagem da vertente dinâmica, no entanto a intervenção é feita no divã, e é mais demorada (um tratamento pode demorar anos!). E são utilizadas técnicas como a associação livre de ideias, a interpretação de sonhos, etc. 
  • Etc. (existem muitas mais, mas estas são algumas das mais frequentes)

 

    Espero ter-vos sido útil, e tenham uma óptima semana! 

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

Porque é tão importante cuidarmos da nossa saúde mental?

44535990_1968056420166734_4214124771559866368_n.jp

 
    Aparentemente hoje é o Dia Mundial da Saúde Mental (10 de Outubro), e por isso hoje fiz questão de vos falar um bocadinho sobre isto do que é a saúde mental, e porque é tão importante cuidar bem dela...
 
    Em Portugal existem cerca de 48 mil pessoas diagnosticadas com alguma doença mental. A depressão, em particular, é das doenças mais incapacitantes do séc. XXI., e daí surge a necessidade de existirem acompanhamentos psicológicos, bem como um maior número de psicólogos no SNS.
 
    Apesar disso, muitas das pessoas que necessitam, continuam a não ter apoio psicológico, por vários motivos (dificuldades económicas, desconhecimento de que sofrem de uma patologia, estigma associado ao tema, etc.). Mas é para estas últimas que me dirijo hoje.
 
Quando estamos com uma doença física (dor de cabeça, infeção na garganta…), vamos ao médico para nos tratarmos e ficarmos bem, então porque razão não fazemos o mesmo quando se trata de uma doença mental?
 
 
    Aqui vão alguns factos para ajudar a desmistificar o papel do psicólogo:
 
1- Ir ao psicólogo não é "ir falar com um amigo". Muitas pessoas não vão ao psicólogo porque acreditam que é o mesmo do que conversar com um amigo, e é esse tipo de pensamentos que os impede de procurar ajuda. O papel do psicólogo é não só escutar, como também tentar encontrar hipóteses explicativas para o que está a acontecer com a pessoa que está à sua frente, utilizando os seus conhecimentos técnicos.
2- O psicólogo não passa medicação, passa conhecimento. Ao contrário do psiquiatra, nós psicólogos não temos o curso de Medicina, e por isso não podemos prescrever medicamentos. Assim, a intervenção psicológica é feita através da interação entre os dois, - cliente e psicólogo -, onde um tem o conhecimento científico e técnicas para aplicar, e o outro tem de decidir a melhor forma de colocar essas mudanças em prática.
3- Não é como nos filmes, onde os psicológos são vistos por vezes como figuras sensionalistas, que são capaz de mudar a vida das pessoas num abrir e fechar de olhos. Na verdade, existem várias abordagens para se usar em psicologia, e com elas várias técnicas diferentes. Cada abordagem clínica tem a sua explicação do comportamento humano, e por consequência, a sua forma de intervenção. Por exemplo, se o psicólogo se identificar com uma abordagem cognitivo-comportamental, isto significa que, em sessão, ele tem um papel mais activo, onde pretende ensinar ao paciente formas mais adequadas de viver a sua vida; identificar e avaliar crenças (pensamentos) do sujeito, e como estas podem interferir no seu comportamento. 
 
    Por isso, como veem, não há nenhuma fórmula mágica que os psicólogos usem para tratar os seus clientes, e há que ter em conta que cada caso é um caso. Nunca se esqueçam que cada psicólogo é, acima de tudo, um ser humano - ele próprio com os seus valores, e personalidade. E é normal se não se identificarem logo com o primeiro psicólogo que vos calhar. Porque como em todas as relações, também a relação entre psicólogo-cliente tem de fazer o seu 'click', e nem sempre é amor à primeira vista... 
Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.

#5DesafioSelfcare

 

DESAFIO DA SEMANA:

Escreva, num bloco, as suas angústias e preocupações.
 

 

    Quando estivermos a passar por fases mais complicadas da nossa vida, devemos escrever tudo aquilo que nos preocupa num bloco/ caderno, antes de nos irmos deitar. Ao fazermos isso, estamos a libertar a nossa mente de preocupações, e a "descarregá-las", dando-lhes menos espaço de se expandirem em sonhos/pesadelos. 

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartafora.