Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

umacartaforadobaralho

"o segredo é teres sempre uma carta na manga"

umacartaforadobaralho

"o segredo é teres sempre uma carta na manga"

#10Review: Pesquisa Obsessiva

pesquisa obsessiva.jpg

    "A filha de David Kim desapareceu. Ele não a consegue encontrar. Até descobrir quem ela é realmente."

    Foi assim que me cativou a sinopse do filme Pesquisa Obsessiva (ou "Searching" em inglês). Este filme é gravado de uma forma muito curiosa, pois a história é contada através de dispositivos tecnológicos (podem ver o que estou a dizer no trailer), o que torna, na minha opinião, o filme muito mais original e cativante.

    A história demonstra até onde um pai está disposto a ir pela sua filha, que se encontra desaparecida, e a importância das redes sociais nesta sua procura. Hoje em dia, tudo o que somos está online, e é interessante ver como este pai só conhece realmente a filha quando acede ao seu computador. É um thriller atual, que podia muito bem ser baseado numa história verídica, e com um desfecho que me agradou bastante. Recomendo vivamente!

    Alguém por aqui que já ouviu falar deste filme? 

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartaforado.

#9 Review: Um Pequeno Favor

umpequenofavor.png

    Bem sei que já não vos trazia reviews de filmes há algum tempo, mas ontem fui ver este filme ao cinema e achei-o tão interessante, que tinha que vir partilhar com vocês o meu testemunho...

    Para quem me conhece, sabe que eu adoro filmes e séries de mistério, crime e thrillers, e desde o primeiro minuto que eu vi o trailer deste filme que eu tinha uma curiosidade parva para o ir ver ao cinema. Primeiro, adoro trailers que não contem toda a história do filme - para mim quanto menos digam, melhor! Depois, há todo um suspense no ar... Sabe-se que uma pessoa desaparece, que é a melhor amiga da personagem principal, mas não há muito mais que isso que se consiga perceber.

    O filme em si é...algo fantástico. Mistura o humor (negro), com um mistério único que só a Blake Lively e a Anna Kendrick (as protagonistas) conseguiriam representar. E o final é, apesar de tudo, super inesperado... Digo-vos que, em pleno intervalo do filme, eu já tinha 3 possíveis finais traçados, e no final nenhum deles acabou por acontecer. Das duas uma, ou sou péssima a adivinhar finais, ou o filme é completamente surpreendente. (E eu gosto de pensar que se trata da segunda opção... )

    E... mais não digo! Não vos quero estragar a surpresa que todo o filme envolve. Toca de ir ver o trailer, e caso gostem (e como é possível não gostar?!), toca de ir ao cinema já, já, já! Agradecem depois... 

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartaforado.

"Sou sexy, eu sei!" (contém spoilers!)

    Foi este o filme que fui ver este fim-de-semana e...OH MÃE DO CÉU! "Como é que não se lembraram de um filme assim, há mais tempo?" era a única questão que me passava pela cabeça no cinema.

    Este filme é tão bom, e tem uma mensagem tão fantástica que todas as mulheres, - e homens! -, deviam ter a oportunidade de o conhecer! Para quem não sabe, o filme é sobre a vida da Renee Bennett, uma rapariga que lida com graves problemas de auto-estima, não se valoriza e tem um discurso super derrotista acerca da sua auto-imagem.

    Até que um dia ela tem um "acidente" no ginásio onde fazia exercício, e tudo muda: ela passa-se a ver como a pessoa mais bela e confiante de sempre. E a sua atitude consigo própria, e com o mundo, muda! Ela passa-se a sentir segura da forma como se arranja e apresenta, ganha confiança para se candidatar ao emprego que sempre quis (uma empresa cheia de modelos), e até ousa em convidar rapazes para sair, algo que nunca teria tido coragem para fazer antes. No fundo, passa-se a sentir sexy, e influencia tudo o que está à sua volta: arranja o emprego de sonho, namorado, e, mais importante, amor em si própria!

     E isso fez-me pensar em escrever este post, e partilhar esta mensagem convosco. No fundo, todos nós temos as nossas inseguranças. Seja por aspetos físicos, psicológicos, cognitivos, emocionais, sociais, traços de personalidades, o que for! E a sociedade em que vivemos já nos relembra constantemente as nossas inseguranças (os media *cough cough*), não precisamos de mais reforço negativo uns dos outros.

    Hoje desafio-vos a pensarem sobre as vossas qualidades, tudo aquilo que gostam e se orgulham em vocês, e a escreverem-me algumas delas na caixa de comentários! Vamos ver quantas pessoas confiantes estão aptas para este desafio!

    Lembremo-nos que ao direccionarmos a nossa atenção e energia para as coisas boas que nós temos, estamos a inferiorizar tudo aquilo que consideramos uma "fraqueza", e mais facilmente encontramos provas de que somos realmente bons e merecedores de uma óptima auto-estima. Todos nós somos seres humanos, e é normal termos as nossas inseguranças de vez em quando, não podemos nunca é que elas nos definem! 

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartaforado.

La Casa de Papel: o vício

Atenção: Contém Spoilers! 

    Aposto que estão todos muito espantados. O quê? Tu a veres a La Casa de Papel? Ah, que espanto. Sou só eu, e meio mundo. Eu sei, é muito pouco "fora do baralho", mas o que posso dizer? Estou rendida à série do momento.

    Acabei ontem a primeira temporada, e vou hoje entrar para a segunda. Digo-vos, não faço a mínima ideia como é que eles se vão safar desta, mas tenho a certeza de que vai sair algo brilhante! É mesmo daquelas séries que não quero que chegue ao fim...

    Honestamente, o trailer não me atraiu por aí além. A ideia de ver uma série baseada num assalto não me pareceu muito inovador, e até comentei lá pelo Twitter que me fazia lembrar o filme do Ocean's Eleven.

    Mas claramente, enganei-me. Primeiro, é uma série, e não um filme. O que por si só quer dizer que não é só "um assalto", e tem que ter muito mais história por detrás (que é lindíssima, e tem um impacto brutal, por causa do papel da resistência...)

    E depois, estou apaixonada pelos personagens, e com isto quero dizer, com os actores. Acho que foram escolhidos a dedo para a série, e não podiam ter feito uma melhor escolha. Devo confessar que deles todos, o Professor (*digo isto com o sotaque espanhol*) tem um lugar especial no meu coração... 

    Outra coisa que adoro é o final de todos os episódios me deixarem de boca aberta... Acho que isso pode ser o grande 'tcharam' da série. Conseguiram escrever uma boa série, com excelentes atores, uma banda sonora que toca a todos, e ao mesmo tempo conseguiram agarrar os espectadores em todos os episódios...

    Porque às páginas tantas, como já ouvia há dias na letra de uma canção, "Entre o bem e o mal, a linha é ténue, meu bem." 

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartaforado.

#6 Review: A forma do quê??

(o post contém spoilers!)

 

    Eu sou a Carta, e sei que ando super atrasada nas reviews dos filmes, ok? Sei que a "Forma da Água" já saíu há imenso tempo, e foi falada por imensos blogs, mas eu só o vi agora, por isso vão ter de ter paciência comigo...

    Ora muito bem, quando o filme começou a ser falado por todo o lado, eu fui-me informar sobre o que era a história e sinceramente não me interessou muito - para não dizer nada (talvez por isso dizem que as mulheres têm um 6º sentido...). Mas como foi nomeado para quase todas as categorias dos Óscares ou que lá é, eu pensei "bom, lá tenho eu que o ver, porque quero saber o que é que aquilo tem de tão especial..."

    Nada, digo-vos eu, não tem rigorosamente nada de especial. Foi um dos filmes mais nonsense que vi em toda a minha vida.

    A história por si só já é o que é, uma humana a apaixonar-se por um homem-peixe (ou "pequeno-sereio"), mas eu ainda tinha a esperança que fosse algo mais profundo do que isso, ou que fosse explorado de outra forma, nem sei. A esperança é sempre a última a morrer.

    Primeiro, cenas intímas/nudez do nada. Vê-se mesmo que algumas cenas eram só "para dar canal" como dizem, não trazendo qualquer propósito para o filme. Depois, não consegui perceber que tipo de filme é que estava a ver, e isso irritou-me: se era comédia, drama, romance, sobrenatural, histórico, enfim... Eu não sabia se ria, ou chorava com algumas das cenas (na maioria ri-me porque pronto, não gosto de chorar né).

    E as personagens! Eram tão random... Afinal o homem-peixe era um ser, ou um Deus? Foi um género de filme de super-heróis ou era simplesmente estúpido? Tenho tantas dúvidas em relação a este filme.

    O final foi escusado, na minha opinião. Tinham mesmo que lhe nascer as guelras, a ela? Quando eu pensava que o filme já não podia fazer menos sentido, pumba, ela torna-se peixa!

    Mas vou-vos dizer o que foi, para mim, o pior deste filme, aquilo que mais me chocou (.- não sou eu a Carta, amante de gatos...). Quando o homem-peixe mata o gato do vizinho da Elisa, e a forma como o mata... Digo-vos, até hoje tenho pesadelos com essa cena, e eu FECHEI OS OLHOS!. Foi outra das cenas desnecessárias, na minha opinião.

    Como puderam perceber, não fui a maior fã deste filme... E espero muito sinceramente que não ganhe Óscar de melhor filme ou algo do género, senão vou mesmo ficar chateada...  Vocês já viram "A forma da água"? O que acharam?

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartaforado.

#5 Review: Haters Back Off

    Para quem não sabe fica desde já a saber que eu sou uma fã ,(barra stalker), da youtuber Colleen Ballinger, que já acompanho há algum tempo... E ela criou uma série ,"Haters Back Off" da Netflix, que estreou há um ano e qualquer coisa, a basicamente narrar a história de vida da personagem que ela criou (e que a fez um sucesso no youtube), a famosa Miranda Sings.  

    A Miranda Sings nasceu de uma sátira a todas as pessoas que faziam vídeos no youtube a cantarem, que tinham péssimas vozes, mas que se achavam as melhores, e superiores a toda a gente. A Colleen começou a achar piada a este fenómeno, e começou ela própria a desenvolver um personagem convencida, irritante, com uma voz horrível (quando ela na verdade estudou canto desde pequena), e que se achava famosa.

    A partir daí ela começou a mencionar outros 'personagens' nos seus vídeos, como a mãe (interpretada pela Angela Kinsey), que a fazia todas as vontades e a mimava o máximo possível, e o tio (Steve Little), inseparável de Miranda de formas às vezes até demasiado bizarras, e que vivia obececado com o seu sucesso. 

    A série desenvolveu-se a partir daí, acrescentando mais personagens à mistura, e mais história. Uma comédia a não perder, com personagens demasiado fora do normal, mas que nem por isso deixam de vos pôr as emoções à flor da pele.  Recomendo vivamente a todos aqueles que têm um humor mais... alternativo.

    De salientar, que a segunda temporada saíu há uma semana e está muito melhor do que a primeira. Portanto, se já fizeram uma maratona à primeira temporada e estão com medo de arriscar a segunda tentativa, nada temam, prometo-vos que não vos irão decepcionar. Vão chorar, rir muito, e pedir por mais! 

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartaforado.

#4 Review: Wonder Woman

    Esta semana fui sortuda o suficiente para ter ido ver o filme da Wonder Woman, em 3D, nos cinemas. E sim, digo sortuda, porque gostei imenso do filme. Quem conhece minimamente os meus gostos sabe que não sou muito fã de filmes de ação (aliás, os meus gostos são bastante restritivos, se assim os quiserem chamar ), por isso não vinha com grande expetativa para a nova estreia da DC.

    Não sei se foi por isso que gostei tanto do filme, ou se foi pelo facto do filme ser genuinamente bom (confesso que ainda não tive oportunidade de ler muitas reviews, e opiniões). O que é certo é que a história entusiasmou-me bastante, o desenvolvimento dos personagens, e a mural por de trás do filme, que eu dou sempre imenso valor como sabem...

    O filme retrata a história de Diana (a protagonista), e as suas origens. É passado na altura da guerra, numa época mais antiga e conservadora, onde as mulheres eram conhecidas por serem pouco ativas na sociedade (para não dizer quase inexistentes). A Diana, por sua vez, surge como uma rapariga lutadora, feliz, teimosa, e (descobre depois) muito apaixonada. Com um enorme gosto por lutar por aquilo que acredita, e uma personalidade muito forte, ela não se deixa influenciar por qualquer um. É isso que faz dela única, uma guerreira dos pés à cabeça.

    Na minha opinião o filme é bom para todas as mulheres, e homens, que gostam de histórias sobre empowering da mulher, e sobre a luta por aquilo que é justo. E ao mesmo tempo para todos os apaixonados/as que acreditem em histórias de amor, com uma boa pitada de humor. Recomendo vivamente!

 

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartaforado.

O que não gostei no La la Land (com SPOILERS)

 

O La la Land é para muitos um filme de referência, e não é por acaso que ele esteve nomeado para 14 Óscars (os quais ganhou, impieadosamente!). No entanto, como qualquer filme, não é por isso que ele deixa de ser alvo de críticas, ou comentários menos felizes à sua prestação. E eu, como espetadora atenta que tento ser , quero também deixar aqui alguns dos meus pontos de vista mais negativos acerca do filme (apesar de ter sido, de um modo geral, um filme agradável de ver). [Quero deixar claro que esta é apenas a minha opinião acerca do La la Land, estando à vontade para receber, e respeitar, todo o vosso feedback que receber.]

  • Demasiada cantoria. Eu sei que ele era um musical (que desde já não sou grande fã), mas uma coisa é ser um filme género musical, outra coisa é ser um musical género de filme. Tudo o que é demais é conta errada, e principalmente durante a primeira parte do filme, achei um exagero ver toda a gente a cantar por tudo e por nada (e personagens figurantes que não entraram em mais cena nenhuma). Não é bem a minha cena, mas compreendo que há quem goste.
  • A cena do planetário perdeu-me imenso, vou ser honesta. Quando vejo de repente pessoas a "voarem" ou "flutuarem" num filme que aparentemente nada indicava que usava este tipo de 'efeitos especiais', perde um bocado o realismo para mim.
  • O Ryan Gosling é jeitosinho sim, representa bem sim senhora, mas cantar e ser o mais apropriado para o papel...meh, tenho as minhas dúvidas. A Emma Stone foi tão excelente na minha opinião (como é sempre, adoro aquela miuda), e consigo imaginá-la com uns 500 mil actores que faziam um melhor par de cantoria para ela, do que este... :(
  • A moral da história: ou és bem-sucedida na vida, ou tens o amor da tua vida ao teu lado. As duas coisas são impossíveis. Epa, não gostei. Chamem-me romântica de alma e coração, mas não gosto desta filosofia de vida, nunca me identifiquei. Sei que há muitos casos de casais que isso acontece (infelizmente), mas na minha opinião, é possível conciliar as duas coisas.
  • (Por isso mesmo) O afastamento dos 2 não foi bem explicado, para mim. Ela podia perfeitamente ter ficado a trabalhar em Paris, e ele ter ido com ela (visto já nem estar em tour). Abria lá o seu restaurante de jazz, e tudo o resto. Não era caso para uma separação tão definitiva.

 

Porque nem tudo foi mau, achei este filme com uma história muito 'fofinha' (apesar da forma como acabou), sendo a parte final para mim aquela mais espetacular, e a melhor (curiosamente!). Recomendo o La la Land a todos os amantes fieis de musicais, e de finais surpreendentes!

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartaforado.

#3 Review: Uma rapariga no comboio

    Boas! Hoje resolvi fazer uma review de um filme que vi à alguns dias, mas que só hoje tive tempo (e disponibilidade) para comentar.

    Quero começar por vos dizer que eu tive, durante as férias de Agosto, na extensa lista de espera da biblioteca aqui da minha zona para poder requisitar este livro (que estava mais concorrido que a Maria Leal nos dias de hoje no Urban). E isso deve-vos dizer alguma coisa do quão expectante eu estava sobre este filme - que tinha sido só baseado no best-seller de 2015. 

    Em relação ao filme, na minha opinião tem uma história excelente (que era tal como eu estava à espera), que não deixa de ser simples e original ao mesmo tempo, o que me deu uma pica enorme de ver desenvolver. Para aquelas pessoas que viram o filme e o acharam 'uma seca' ou 'muito parado', como já tenho lido, eu sinceramente não consigo entender o como, desculpem-me. É que, para mim, eu estava constantemente curiosa para ver o que se iria passar a seguir, pois a história dava imensas voltas e captava sempre a atenção dos mais distraídos.

    Isso quer dizer então que o filme foi 5*? Nem por isso. Na minha opinião este é um daqueles dramas tão pesados, que quando sais da sala do cinema parece que foste atropelada por um camião de 60 mil toneladas. Foi exatamente assim que me senti. Ou isso, ou que tinha acabado de sentir o pior breakup de sempre. Mas não levem isto demasiado a peito! Fala uma pessoa que odeia dramas já de raíz, portanto tudo o que advém daí para a frente, só piora. Se foste daqueles que não deprimiram ao ver o Rei Leão, então este filme é excelente para ti!

    Já no final, apesar de intenso (para não me spoilar de outra forma), acabou como eu queria, e o resto não digo mais. Vão ter de ver. Porque senão digo tudo.

    Aconselho todos a verem o filme, porque apesar de não ser perfeito para mim, foi um 3.5 ou 4* que merece toda a vossa atenção e carinho. (Certifiquem-se apenas que logo depois vêm uma comédia daquelas para desanuviar).

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartaforado.

REVIEW: Mestres da Ilusão 2

     Já tinha visto o primeiro filme há relativamente algum tempo,e adorei todo o seu conceito: desde toda a história 'mágica' e misteriosa envolvida, até às fantásticas reviravoltas e plot twists que acompanham todo o filme.  Recentemente, e como não sou de modas, resolvi por isso ver o "Mestres da Ilusão - parte 2", para testar até que ponto a storyline e a boa qualidade que, na minha opinião, acompanhou o primeiro filme, podia resultar no segundo. E não é que não me decepcionei?! E digo isto da forma mais céptica possível porque sou uma rapariga que acredita que fazer a continuação de alguns (leia-se, a maioria) dos filmes é....um perigo. É um perigo por várias razões, sendo as principais relacionadas com o facto de: a) não conseguirem arranjar uma boa história que sustente a sua continuação b) não manter os 'standarts' do filme em questão (pois normalmente para se pensar numa segunda parte de qualquer filme, é porque ele deve ter sido um sucesso da primeira vez), c) o timing em que sai o filme, a mudança de diretor, argumentador, actores, etc, etc...

   No caso deste filme, apesar do final do primeiro ter sido deixado muito 'em aberto', o meu maior receio era que não encontrassem truques (de magia) suficientemente bons como o primeiro, e que a storyline não fizesse sentido. Em ambos os casos, fui surpreendida pela positiva, e apesar de alguns dos truques não serem tão possíveis de se fazerem na realidade, eles foram todos incríveis, e "enquadrados" muito bem na história do filme, se me faço entender. Quem já tiver visto o filme percebe o que quero dizer.. A atriz principal também foi substituída, e para mim, muitíssimo bem substituída. Aliás, não era muito fã da primeira mágica do primeiro filme, e adorei a segunda, podendo dizer até que foi imenso underrated, pois na minha opinião deviam ter explorado muito mais a sua personagem.

    Resumidamente, o filme é muito bom e recomenda-se. Tem uma pitada de tudo quanto eu gosto: humor, fantasia, mistério, ação, etc etc... Obviamente, se não forem apreciadores de filmes de mágicos, este filme não é definitivamente para vocês. Tudo o resto que gosta de ser surpreendido e de uma boa história, aconselho a darem uma olhadela! (Por mais que não seja pelo Daniel Radcliffe e pelo seu sotaque britânico, c'mon, meninas..). 

Sigam-me no Instagram @umacartaforadobaralho e no Twitter @umacartaforado.